Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017
http://marcoadvogado.com.br/images/direitoavesso_10.jpg

Holocausto e preconceito



Sou admirador declarado de Hannah Ahrendt pela coragem que teve ao desnudar a banalidade do mal, com relação a um carrasco nazista. Tudo o que diga respeito a sionismo, antissemitismo e adjacências é terreno minado – para qualquer um, imagine-se para uma judia.
 O preconceito em torno desses temas, fruto de séculos de exclusão e, recentemente, décadas de propaganda intensa, pertinaz e muito competente, dificulta ao extremo qualquer análise e até mesmo a simples abordagem. O mítico Ahsverus, vitimizado durante séculos pela condição de judeu errante, hoje está solidamente enraizado à sua terra, mas continua a beneficiar-se da compaixão universal.

 Hoje, é perigosa até mesmo a intenção de questionar as verdades assentadas sobre holocausto nazista, perseguição aos judeus, Estado Judaico e assim por diante. Mas preconceitos são inimigos dos conceitos e sobretudo dos debates. Não se trata, no particular, apenas da praga do politicamente correto, inibidora da discussão arejada e inteligente em qualquer área, mas também dos inerentes riscos de processo criminal e condenação.

Tudo o que implique rediscussão dessas verdades definitivas (como se pudesse haver alguma), mesmo a simples manifestação de dúvida a tal respeito, pode ser de antemão rotulada, ela própria, de preconceituosa, quando o verdadeiro preconceito pode estar na mão oposta. O mero intento é combatido e descartado sem análise, não raro já sob ameaça de repressão penal. A legislação protetora das minorias, em si mesma salutar e necessária, pode ser facilmente deformada em seus objetivos e atuar como inibidora das liberdades fundamentais. Já se passou da execração social para condenações judiciais.

 É de todos conhecida a clara tendência revisionista dos historiadores e historiógrafos contemporâneos, preocupados em passar a limpo os fatos antes incontroversos. Estão conscientes de que a História só pode aspirar ao estado de ciência se estiver disposta a reavaliar infindavelmente as suas verdades: em Ciência, nada é para sempre. Essa visão, contudo, esbarra em algumas certezas a que o novo preconceito conferiu o dom da intocabilidade, com certa aura de sagrado.Mas é mister examinar também esses tópicos, pois a concordância e o dissenso têm de ser fruto de análise.

 A palavra holocausto, em todos os dicionários antigos da Língua Portuguesa, sempre significou, com pequenas variantes, sacrifício ritual  oferecido a alguma divindade. Em um sentido mais restrito, a palavra designava modalidade específica de oferenda, em que, ao revés de outras variantes, o animal imolado tinha seu corpo inteiramente queimado, sem ressalva das partes comestíveis.

 Em qualquer dos casos, trata-se de um substantivo comum, com inicial minúscula. Esse há de ser o resultado da consulta a dicionários de qualquer idioma moderno editados até meados do século XX (holocaust, holocauste, Holocaust, förinstensen). O conceito é universal e manteve-se invariável desde as eras bíblicas, sendo comum a todas as crenças e práticas religiosas da Antiguidade.

 Hoje, a todo passo encontramos o mesmo vocábulo, em qualquer das línguas mais conhecidas, grafado com H maiúsculo e designando o morticínio em massa de vítimas do nazismo (majoritariamente judeus) nos campos de concentração e alhures. Esse significado novo, desgarrado da acepção antiga e semanticamente inexplicável, é hoje quase o único em que se emprega o termo, como até a mas aligeirada pesquisa na rede mundial pode revelar.


Comentários

Simon Augusto Guimarães Blum - Administrador 25.08.17 | 09:47:27
Concordo plenamente com o comentário acima, do Sr. Fernando Bekerman. O texto do desembargador é baixo, irracional e extrapola a esfera do aceitável. É inadmissível que em pleno 2017 pessoas tenham espaço para escrever tantos absurdos.
Fernando Bekerman - Advogado 24.08.17 | 19:23:32
Que texto fraco de conteúdo, de clareza (em relação ao que se presta) e de coragem. Todo antissemita um pouco mais esclarecido afirma-se ser admirador ou amigo de algum judeu. Gravar Holocausto com "H" maiúsculo é precisar exatamente um fato histórico irrefutável. "Passar a limpo os fatos antes incontroversos"? Diga o que realmente quer dizer! O revisionismo pretendido é o de se negar fatos comprovados. "Beneficiar-se da compaixão universal"? Haja paciência! Israel exporta bondades
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Carta a um (possível) futuro advogado

“Acho que, sendo uma das mais antigas profissões recomendáveis, a advocacia liberal tende à extinção. Vai-se gradualmente convertendo em uma espécie de SUS judiciário, onde a atividade é restrita e impera uma lei do mais fraco”.

Sorria! Você está sendo caloteado

O uso e abuso dos depósitos judiciais para finalidades diversas daquelas minuciosamente previstas em diploma normativo federal. (...) É o descaso com o direito alheio que leva à tragicomédia do dinheiro em cuecas ou em malas que o gatuno sequer consegue carregar”.

As panelas silenciosas

"Michel Temer parece ter um talento incomum para identificar o que ninguém quer – e fazer exatamente isso. Ele e seu ministério de enrolados esmeram-se em cultivar o desamor do povo, desafiar o mau humor da mídia e afrontar todos os padrões éticos". 

Viajem, Senhores!

Sempre tive uma dúvida séria sobre esse turismo governamental de enormes comitivas oficiais para o Exterior. O transporte é o mais caro; os hotéis são aqueles onde os mortais comuns como eu e tu nunca poremos o pé – a diária equivale ao custo da nossa excursão inteira”.

Julgamento político?

"Nem tudo que reluz é ouro, diziam os muito antigos. Pode ser dólar, até real, se for uma quantia luminosa como R$ 500 mil – há quem trabalhe a vida toda sem ganhar isso".

Senhores advogados, como lidar com a propaganda?

1. “Hall com pé direito duplo e cafeteria”; 2) “Segurança 24 horas com controle de acesso”; 3. “Vagas privativas”; 4. “Estacionamento privativo para visitantes”; 5. “Gerador próprio”; 6) “Sala de reuniões – auditório”; 7) “Fitness com banheiros e chuveiros”. Você é um profissional do Direito, não se deixe enrolar pela esperteza!