Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 13 de julho de 2018.
http://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_13.jpg

Mulher que mata marido não perde direito à comunhão de bens



 Tragédia familiar

A mulher que mata o marido não pode ser excluída da partilha dos bens de família, se os dois eram casados em regime de comunhão universal de bens. A decisão é da 8ª Câmara Cível do TJRS, ao negar a apelação interposta pelo filho do casal. A tragédia envolveu um casal de agricultores, no município de Santo Ângelo (RS). O homem foi morto a machadadas enquanto dormia.

O filho ajuizou ação de declaração de indignidade contra a mãe, porque, mesmo sendo meeira, ela deveria ser punida pelo ato atentatório contra a vida, perdendo assim o seu direito à sua parte dos bens. Sustentou também que a atitude dela merece repúdio e sanções cíveis possíveis.

A sentença de improcedência, proferida pelo juiz José Francisco Dias da Costa Lyra, foi confirmada (3x0), a partir de voto do relator do recurso, desembargador Ricardo Moreira Lins Pastl.

Ele fundamentou que como a assassina e a vítima “casaram sob o regime da comunhão universal de bens, considerando que a meação não decorre de direito sucessório, mas de direito próprio, a viúva não ostenta a condição de herdeira nem de legatária, mas possui direito à sua meação, o qual não é atingido pela prática de ato de indignidade”.

Dois detalhes, na conjunção, chamam a atenção.

Primeiro: no júri popular, a viúva assassina foi condenada à prisão, com trânsito em julgado e está cumprindo a pena.

Segundo: o julgamento cível no TJRS - que está com segredo de justiça - também é definitivo, por inexistência de recursos aos tribunais superiores.

 Frases irreprimíveis

“O ministro Gilmar Mendes exerce atividade de político e usa sua magistratura contra a Magistratura”.

Pior do que um ministro-magistrado sem limites, é não se encontrar entre os seus pares quem busque impor-lhe os limites éticos e funcionais a que, como princípios, está submetido”. (Ambas do jornalista Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo).

“Precisamos de mais Moros e Bretas e menos Toffolis e Gilmars” (sic).(Faixas levadas pelo movimento ´Vem pras Ruas´, no Rio).

  “Vindo de onde veio, Lula não tinha o direito de nos decepcionar tanto”. (Cineasta Cacá Diegues, anteontem, no jornal O Globo.

 Lá vão eles...

Seguem lépidos - em matéria de gastos públicos - os ex-presidentes Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma Rousseff. Com viagens, veículos e equipes pagas pelo contribuinte, o quinteto custou ao País R$ 2,31 milhões no primeiro semestre deste ano.

Dilma liderou a conta, com R$ 924 mil. A quantia é mais do que o dobro da gasta por Collor (que tem 84 assessores em seu gabinete no Senado), com R$ 400 mil.

 Acreditem, se puderem...

Nunca mais farei marketing político”.

A frase é de Duda Mendonça, anunciando que mudará de profissão. Doravante, ele será escritor.

O novo projeto de Duda já prevê, brevemente, um primeiro livro sobre casos e causos das campanhas de que participou. Uma das histórias reunirá Lula, Zezé di Camargo e o marqueteiro, que remonta à véspera do comício final do segundo turno, na Bahia, na eleição de 2002.

Lula e Zezé (que recebeu R$ 75 mil, ´cash´, para cantar no showmício) foram ao apartamento de Duda, e lá tomaram um porre de “51”.

O jornalista Lauro Jardim já antecipou como foi o final daquele encontro: “a manguaça era tanta que o trio se jogou na piscina de roupa e tudo”.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.

O “auxílio-malhação” não chegou a colocar juízes e desembargadores em forma...

• CNJ breca funcionamento de academia judicial, exclusiva para magistrados e familiares, paga com dinheiro público.

 No STF, “rádio-corredor” aponta a Suprema Trinca. E quem são os integrantes da “câmara de gás”? Por que uma Turma é chamada de “jardim do Éden”?

 49% dos brasileiros dizem não saber o que significa uma pessoa transgênero.

 Abuso na Câmara: em três anos, R$ 9,9 milhões de gastos com jatinhos e helicópteros.