Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 13 de julho de 2018.
http://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_13.jpg

Preparem-se! O Brasil poderá ter até 103 partidos políticos



Mais e mais partidos

Ganha fôlego em Brasília a proliferação de legendas. Entrementes, a fixação de uma cláusula de barreira para restringir o acesso de partidos a recursos públicos e a tempo político na tevê é asfixiada na Câmara, O Brasil já tem 35 partidos e, ainda em setembro, pode ser ungido o 36º, chamado de Muda Brasil. A agremiação é costurada, nos bastidores, pelo deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão e principal dirigente do PR.

Há ainda 67 outras legendas em formação, na fase de coleta de assinaturas, o que pode elevar o número para 103, se todos obtiverem o apoio de 486 mil eleitores, como estabelece a legislação.

Na lista há partidos com viés ideológicos, como o Raiz, da deputada Luiza Erundina (PSOL-SP). E outros que se propõem a representar setores específicos: Partido Militar Brasileiro, Partido das Favelas, Partido do Esporte, Partido Indígena e o pitoresco Partido Nacional Corinthiano.

Sobre esses possíveis 67 novos partidos, o atual deputado federal Ronaldo Fonseca (PROS-DF) tem uma tirada pífia: “Cria-se partido novo porque os que existem não prestam. Numa democracia, a quantidade não é o problema, O que falta é qualidade. O nosso será republicano, cristão e conservador”.

No seu currículo, Ronaldo tem um item pouco abonador: foi o deputado que se notabilizou por dar parecer favorável a Eduardo Cunha na CCJ, quando desencadeado o processo de cassação do então presidente da Câmara.

O projeto presidencial de Eduardo Cunha

Nesta semana, o doleiro Lúcio Funaro – preso desde 1º de julho de 2016 - será interrogado por um juiz auxiliar do STF. É etapa apenas protocolar para que ele confirme se fez a delação por livre vontade, ou se sofreu coação.

A “rádio-corredor” da OAB do Paraná, por onde circulam muitos segredos da Lava Jato, já informou ontem (4) que Funaro fez pagamentos a pelo menos 18 políticos da base governista na Câmara.

Na conjunção, Eduardo Cunha indicava onde Funaro buscaria o dinheiro e para quem os subornos deviam ser repassados. A grana foi tanta que o próprio Funaro faturou – fora os ´pfs´... - R$ 40 milhões, que se compromete agora a repatriar para a União.

A compra de parlamentares fazia parte do projeto político de Cunha. Depois de passar pela liderança do PMDB, ele chegou à presidência da Câmara e, a partir daí, sonhou com a Presidência da República. O projeto desmoronou depois da descoberta da conta de off shore em nome dele na Suíça e do festival de gastos de madame Claudia.

A propósito, diz-se em Brasília que uma historinha redigida pelo futuro escritor Rodrigo Janot, em seu primeiro livro, vai centrar-se justamente em Eduardo Cunha.

Vai contar que o outrora temível deputado era (e ainda se acha...) “capaz de dar nós não só em gotas d´agua, como também em pingos de éter, antes da evaporação”.

 Perda de objeto

O recurso de Michel Temer contra a decisão do ministro Edson Fachin, do STF, que rejeitou o pedido de suspeição de Rodrigo Janot – este, em final de mandato como procurador-geral da República, restando-lhe 13 dias – pode ser comparado àquela flechada que nunca vai chegar ao alvo.

É que o pedido será levado ao plenário do Supremo, seguindo os prazos processuais específicos.

Assim, quando a matéria for para julgamento dos ministros, Janot já terá deixado o cargo (18 de setembro).

Será decidido, então, que “a questão perdeu o objeto” – uma expressão muito conhecida entre os operadores jurídicos.

Elas em expansão     

Engenharia Civil, Direito e Medicina são as três carreiras mais bem remuneradas e têm – segundo o Ministério do Trabalho – cada vez mais mulheres. Um levantamento da consultoria IDados mostra, simultaneamente, que nos últimos dez anos elas se tornaram maioria no curso de Direito. Eram 49% dos alunos em 2005; hoje elas são 55%.

Nas aulas, no mesmo período, as futuras engenheiras passaram de 21% para 30%. E na Medicina a ampliação passou de 50% para 57%.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.

O “auxílio-malhação” não chegou a colocar juízes e desembargadores em forma...

• CNJ breca funcionamento de academia judicial, exclusiva para magistrados e familiares, paga com dinheiro público.

 No STF, “rádio-corredor” aponta a Suprema Trinca. E quem são os integrantes da “câmara de gás”? Por que uma Turma é chamada de “jardim do Éden”?

 49% dos brasileiros dizem não saber o que significa uma pessoa transgênero.

 Abuso na Câmara: em três anos, R$ 9,9 milhões de gastos com jatinhos e helicópteros.