Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

O juiz papador



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Distribuída a ação a uma Vara do Trabalho - única em cidade de médio porte - o diretor de secretaria fez breve leitura da petição inicial, para verificar se estavam presentes os requisitos para a notificação do reclamado. Seria mais uma entre inúmeras demandas postulando horas extras, não fosse a peculiaridade da prova requerida.

Diante do inusitado que acabara de ler, o diretor quase invadiu o gabinete do sempre formal juiz.

- Doutor, o reclamante era porteiro de motel e está pedindo horas extras. Pegava às 7, tinha 45 minutos para almoço, ficava até as 18 – explicou.

- Se não houver urgência, inclua na pauta normal – determinou o magistrado.

- É que daí os autos vão rolar na vara, o que não seria recomendável... – observou o atento serventuário.

- Explique! - rebateu o magistrado.

- É que há um pedido antecipado, expresso e destacado de expedição de ofício ao Detran. O reclamante fotografou imagens e placas de 20 automóveis de clientes ´habituês´, nos horários em que ele teria feito as horas extras. E desse jeito, quer sejam informados os nomes dos proprietários dos veículos, para indicá-las como testemunhas.

- Ora! Na audiência, eu indefiro o requerimento e pronto. Cabe à parte identificar as suas testemunhas – o magistrado tentou abreviar.

- Mas... a placa do seu carro é a primeira da relação. E outros servidores podem perceber. O senhor sabe como é cidade do interior... – alertou o servidor.

Feições de frisson às avessas, o juiz pareceu abalado pela surpresa.

- Se é assim, a tutela é de urgência. Abra um horário especial próximo, na pauta e só permita que os advogados das partes examinem os autos, pois pelo interesse público envolvido, a partir de agora o processo tramitará em segredo de justiça – determinou.

Dez dias depois, na audiência, o magistrado estava com paciência e bom humor incomuns. Espicha daqui, puxa dali, recomenda acolá, conseguiu a celebração de um acordo - e com pagamento imediato.

- Bom pra vocês, bom pra Justiça, bom pra cidadania da cidade – disse, levantando-se, estendendo a mão e  cumprimentando as partes e seus advogados.

Na “rádio-corredor” da Subseção da OAB só se fala nisso, mesmo que, ao final da audiência, o juiz tivesse ditado à escrevente uma frase arrematadora: “Já cumprido o acordo com o pagamento, arquivem-se os autos, mantendo-se o sigilo judicial".


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.

Kauer ideia e imagem - Vendemos ideias que vendem

Vibração no Supremo!

 

Vibração no Supremo!

A tarde de quinta passada foi aziaga no Supremo.  Além das mútuas flechadas verbais entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso, a segurança resolveu dar uma dura na revisão dos pertences pessoais dos operadores jurídicos que chegavam. Apareceu de tudo: biscoitos de polvilho, determinados cigarros, géis, etc. e até um... vibrador. Não foi revelado se era para uso masculino ou feminino.

Charge de Gerson Kauer

A defesa da honra

 

A defesa da honra

Em comarca do Interior gaúcho, “um homicídio de autoria desconhecida”.  A cidade era de violência zero e nada indicava que o homem tivesse sido vítima de latrocínio ou vingança. Veio então a intrigante conclusão do laudo policial: “O exame cadavérico constatou lesões internas; e no peito da vítima havia uma marca semicircular, em formato de ferradura”.

Gerson Kauer

Pernas maravilhosas

 

Pernas maravilhosas

A fábrica brasileira de calçados deu asas a um italiano. Ele era representante de empresa estrangeira que adquiria produtos fabricados na região calçadista. Mas passou a ter interesse paralelo nas pernas das empregadas da indústria...

Gerson Kauer

“Você não está filmando, né?...”

 

“Você não está filmando, né?...”

Cenas íntimas - de um casal que se formou na balada - pulularam na Internet. Depois virou caso judicial, com ações penal e cível. No julgamento desta, o juiz registrou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o parceiro sexual autorizado à divulgação posterior.