Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

A banheira do Foro Central



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

De repente, na semana passada, em meio às obras de reforma do prédio antigo do Foro Central de Porto Alegre, a descoberta no subsolo: aparecera uma banheira. Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava qualquer especulação maldosa de que se tratasse de uma nova extravagância de algum ordenador de despesas.

A “rádio-corredor” da OAB ficou sabendo e difundiu a novidade. Acrescentou que talvez o presidente da Casa simplesmente informasse a descoberta ao Conselho Seccional, em sua próxima reunião.

No Ministério Público, um erudito procurador de justiça aposentado - que teria furtivamente visto o objeto - detalhou na sua habitual forma rebuscada de falar: “Trata-se de um médio e nada opíparo objeto de louça, que se enche de água e no qual se pode sentar ou deitar o corpo e banhá-lo por imersão, para fins higiênicos ou terapêuticos”.

Em meio à poeira da reforma, um agente de segurança delirou: “Lembro dos tempos do Doutor Fulano. Às sextas-feiras, final de tarde, na primavera e no verão, ele subia para o terraço, onde gostava de ver a chegada do anoitecer - depois descia para o seu banho repousante, numa banheira parecida com esta”.

E por aí se foram as histórias, abordando até a origem vitoriana das banheiras. Não faltou quem lembrasse do imperador romano Marco Antonio que, no ano 83 a.C., costumava receber a amada Cleópatra, quatro vezes por mês, para banhos de leite de cabra – tomados a dois, claro – em grandes panelões de ferro fundido.

Para estancar as brincadeiras compreensíveis que se misturavam a boatos absurdos, o diretor do foro foi em busca de detalhes e identificou o objeto como propriedade da empresa que realiza a reforma, a Tecon Tecnologia em Construções.

Esta tratou de informar, por escrito, que “a banheira presente no subsolo da reforma veio de outra construção para fins de descarte ou revenda, encontrando-se apenas aguardando a destinação correta”.

Não há controvérsias! Ou há?...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.

Charge de Gerson Kauer

O direito de amar

 

O direito de amar

Foram quase quatro meses de confinamento na “casa famosa” do Big Brother Brasil. E o (ex) companheiro da vencedora queria participação no prêmio dela. Mas o juiz indeferiu “os despropositados pedidos masculinos”.

Charge de Gerson Kauer

O despejo do juiz

 

O despejo do juiz

A surpresa da esposa do magistrado ao receber, certa manhã, a visita de um oficial de justiça. Este, apresentando-se no endereço residencial do casal, trazia, formalmente perfeito, um mandado. Deveria despejar o inquilino inadimplente com os aluguéis e que sequer tinha utilizado a opção de purgar a mora... 

Charge de Gerson Kauer

´Paga o churrasco ou vai preso!´

 

´Paga o churrasco ou vai preso!´

Como uma desavença em uma aposta em Gre-Nal rapidamente foi parar numa audiência forense. Entre os convidados, um dos juízes da comarca que, mesmo sendo torcedor do Inter, tomou severa providência e expediu mandado judicial para que o oficial de justiça intimasse o cônsul colorado a comparecer imediatamente ao fórum.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Pensão alimentícia de ministro do STF

 

Pensão alimentícia de ministro do STF

Numa ação de alimentos, de uma menina de 4 anos, contra um dos craques da seleção brasileira, uma curiosa decisão inicial: a fixação da obrigação mensal de R$ 37.476, “o valor do maior subsídio pago a um ministro do Supremo Tribunal Federal”.

Charge de Gerson Kauer

Plano empregatício de gravidez programada

 

Plano empregatício de gravidez programada

Numa empresa em que a predominância de trabalhadores é feminina, insólitas planilhas baixadas pelos patrões. A interferência na autonomia das mulheres, a respeito de seus projetos de vida, de felicidade e dos desejos dos seus corpos.Quem pretender engravidar “deverá comunicar seis meses antes da data provável da desejada concepção”.