Ir para o conteúdo principal

Edição de TERÇA-feira, 13 de novembro de 2018.

A banheira do Foro Central



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

De repente, na semana passada, em meio às obras de reforma do prédio antigo do Foro Central de Porto Alegre, a descoberta no subsolo: aparecera uma banheira. Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava qualquer especulação maldosa de que se tratasse de uma nova extravagância de algum ordenador de despesas.

A “rádio-corredor” da OAB ficou sabendo e difundiu a novidade. Acrescentou que talvez o presidente da Casa simplesmente informasse a descoberta ao Conselho Seccional, em sua próxima reunião.

No Ministério Público, um erudito procurador de justiça aposentado - que teria furtivamente visto o objeto - detalhou na sua habitual forma rebuscada de falar: “Trata-se de um médio e nada opíparo objeto de louça, que se enche de água e no qual se pode sentar ou deitar o corpo e banhá-lo por imersão, para fins higiênicos ou terapêuticos”.

Em meio à poeira da reforma, um agente de segurança delirou: “Lembro dos tempos do Doutor Fulano. Às sextas-feiras, final de tarde, na primavera e no verão, ele subia para o terraço, onde gostava de ver a chegada do anoitecer - depois descia para o seu banho repousante, numa banheira parecida com esta”.

E por aí se foram as histórias, abordando até a origem vitoriana das banheiras. Não faltou quem lembrasse do imperador romano Marco Antonio que, no ano 83 a.C., costumava receber a amada Cleópatra, quatro vezes por mês, para banhos de leite de cabra – tomados a dois, claro – em grandes panelões de ferro fundido.

Para estancar as brincadeiras compreensíveis que se misturavam a boatos absurdos, o diretor do foro foi em busca de detalhes e identificou o objeto como propriedade da empresa que realiza a reforma, a Tecon Tecnologia em Construções.

Esta tratou de informar, por escrito, que “a banheira presente no subsolo da reforma veio de outra construção para fins de descarte ou revenda, encontrando-se apenas aguardando a destinação correta”.

Não há controvérsias! Ou há?...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.