Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Sentença pioneira após a reforma trabalhista custará caro ao trabalhador



O juiz do Trabalho José Cairo Junior, da 3ª Vara de Ilhéus (BA), aplicou a reforma trabalhista com primazia no último sábado, (11) quando passou a vigorar a nova legislação trabalhista – e assim condenou o reclamante por litigância de má-fé e, em decorrência, indeferiu o benefício da justiça gratuita.

O trabalhador processou o empregador (Marcelo Lyra Gurgel do Amaral), por ter sido assaltado à mão armada, enquanto aguardava o ônibus para se deslocar para o trabalho.

Embora reconhecendo que “a cada dia os assaltos vão se generalizando em todas as atividades econômicas”, o magistrado concluiu que a atividade econômica desenvolvida pela empresa, de agropecuária, não implica risco acentuado de assaltos.  “Observa-se, assim, que é necessária a presença do elemento subjetivo (culpa) representada pela omissão, para que haja o reconhecimento da responsabilidade civil assim classificada como subjetiva”.

O juiz também apontou na sentença que o reclamante, ao pleitear horas extras alegando a não concessão integral do intervalo intrajornada, incorreu em litigância de má-fé. Tal porque no seu depoimento informou que trabalhava das 7h às 12h e das 13h às 16h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados até às 11h. “Ora, tal comprova que o autor alterou a verdade dos fatos, pois em sua inicial diz que só gozava de 30 minutos de intervalo”.

O trabalhador foi condenado a pagar R$ 5.000 a título de honorários sucumbenciais (10% sobre o valor da causa, que foi de R$ 50 mil); mais R$ 2.500 por litigância de má fé. E com o indeferimento da justiça gratuita, pagará ainda as custas processuais de R$ 1.000. (Proc. nº 0000242-76.2017.5.05.0493 – com informações do TRT-BA e da redação do Espaço Vital).

Nota do editor

Conforme pode ser lido nesta mesma edição do Espaço Vital, o TRT-4 já sinalizou solução diferente à adotada pelo juiz baiano.

Conforme uma das conclusões da 1ª Jornada sobre a Reforma Trabalhista do tribunal gaúcho, “a condenação ao pagamento de honorários de sucumbência só poderá ser imposta nos processos iniciados após a entrada em vigor da Lei nº 13.467/2017”.

Juízes e desembargadores fundamentaram na “garantia de não surpresa, uma vez que a expectativa de custos e riscos é aferida no momento da propositura da ação”.

Leia a íntegra da sentença


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.