Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

TRT-4 reconhece relação de emprego entre advogado e dois escritórios de Porto Alegre



Decisão da 10ª Turma do TRT-4 (RS) – ainda sujeita a eventual recurso de revista ao TST - assegura a um advogado gaúcho ser indenizado solidariamente por dois escritórios de advocacia de Porto Alegre ante o reconhecimento de relação de emprego. O julgado negou recurso ordinário das duas bancas advocatícias e acolheu parcialmente o recurso do profissional, ampliando a condenação.

No ponto, foi deferida a concessão parcial do intervalo intrajornada, “o que dá direito ao pagamento total do período correspondente, e não apenas daquele suprimido, consoante entendimento contido no item I da Súmula nº 437 do TST”.

A questão envolve o profissional Lauro Saraiva Teixeira Júnior (OAB-RS nº 63.993) que trabalhou, de outubro de 2008 a fevereiro de 2015 para as bancas J.P. Leal Advogados Sociedade de Serviços e Leal Advogados Sociedade de Serviços. Por meio destas, cuidava de milhares de ações de interesse da Oi Telefonia, uma das principais clientes dos dois escritórios. A Oi foi também demandada, mas contra ela a ação foi improcedente. A relatora foi a desembargadora Ana Rosa Pereira Zago Sagrilo.

Conforme o acórdão “o autor era advogado empregado e, como tal, seu labor era dirigido em prol do objetivo social da primeira e da segunda reclamadas, ainda que ele atuasse exclusivamente em processos de um único cliente”.

O julgado explicita que “a prestação dos seus serviços, portanto, beneficiava diretamente as duas primeiras rés, havendo mera relação comercial/profissional entre o escritório de advocacia e a empresa contratante (Oi S.A.), sem elementos que justifiquem o pedido de responsabilidade da mencionada empresa pelas verbas trabalhistas devidas ao autor, seja de forma solidária, seja de forma subsidiária”.

Cálculos meramente estimativos apontam que a condenação financeira final, com os recolhimentos compulsórios, ficará próxima dos R$ 150 mil.

Em primeiro grau, segundo a juíza Eliane Colvolo Melgarejo, da 25ª Vara do Trabalho de Porto Alegre, “pela distribuição do ônus da prova, tratando-se de reconhecimento de vínculo de emprego, tem-se que, admitida a prestação de serviços, na condição de autônomo - mas negada a relação jurídica de emprego - inverte-se o ônus probatório, que passa a ser das partes reclamadas, em atenção aos termos dos artigos 818 da CLT e 333, II, do CPC”.

No exame da prova, a sentença havia concluído que  “o advogado reclamante realizava atividades afetas ao objeto social da primeira reclamada, quais sejam, serviços de advocacia, na própria sede da empresa e em preenchimento aos pressupostos dos artigos 2º e 3º da CLT, sem qualquer independência”.

O julgado monocrático já havia deferido ampla condenação (itens abaixo), todos confirmados pelo acórdão regional:

1. Que a primeira reclamada providencie ao reclamante os documentos necessários ao seu encaminhamento ao seguro-desemprego, sob pena de conversão da obrigação de fazer em obrigação de pagar indenização substitutiva, e autorizados os descontos previdenciários e fiscais cabíveis;

2. Pagamento das seguintes parcelas: aviso prévio proporcional; férias com 1/3 proporcionais (observada a projeção do período de aviso prévio); 13º salário proporcional (observada a projeção do período de aviso prévio); dobro do terço constitucional devido para cada período de férias vencido no curso de todo o contrato, devendo ser de forma simples somente para o último período vencido; 13ºs salários durante todo o período do contrato; horas extras, consideradas como aquelas excedentes a oito horas diárias e 40 horas semanais, observada a jornada arbitrada, com utilização do divisor 220 e acréscimo do adicional de 100% (§ 2º do art. 20 da Lei nº 8.906/94), com reflexos no repouso semanal remunerado, aviso prévio, 13ºs salários e férias com 1/3;

3. Pagamento de horas extras pela supressão parcial do intervalo intrajornada, com reflexos no repouso semanal remunerado, aviso prévio, 13ºs salários e férias com 1/3;

4. O recolhimento do FGTS não adimplido no curso do contrato e sobre as parcelas remuneratórias deferidas no julgado  - acrescido em todas as hipóteses, da indenização compensatória de 40%.

5. Que a primeira reclamada anote a CTPS do autor, para constar o lapso contratual, inclusive com a projeção do período de aviso prévio, no prazo de 48 horas a contar do trânsito em julgado, sob pena de multa diária no valor de 10% do salário básico do reclamante e comunicação à Superintendência Regional do Trabalho para apuração de Infração administrativa e aplicação das sanções pertinentes.

6. Em razão do regramento estabelecido na Lei nº 8.036/90, a primeira e segunda reclamadas deverão proceder aos recolhimentos a título de FGTS à conta vinculada do trabalhador, com o levantamento desde então autorizado, mediante alvará judicial.

7. A primeira e a segunda reclamadas deverão recolher as contribuições previdenciárias e o imposto de renda incidente sobre as parcelas deferidas, autorizada a dedução da cota do empregado do crédito da parte autora, comprovando o recolhimento nos autos no prazo de 15 dias após a data prevista em lei para o recolhimento.

Atuam em nome do reclamante, seus colegas advogados Giovani Antunes Spotorno e Manuel Gandara. (Proc. nº 0020529-07.2015.5.04.0025).

Leia a íntegra do acórdão do TRT-4


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.