Ir para o conteúdo principal

Edição de TERÇA-feira, 13 de novembro de 2018.

Sexo tântrico interrompe festinha infantil



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Era sábado, seis da tarde, quando bateu o telefone no quartel da Brigada Militar, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz feminina, do outro lado da linha, denotava irritação:

- Moço, tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram à festinha de aniversário do meu filho. 

O oficial imediatamente despachou uma viatura e recomendou, aos PMs escalados, habilidade na inusitada abordagem. O sargento, o cabo e o soldado - após interromperem a gritaria tântrica cujos estertores chegaram a escutar - e depois de interrogarem vários adultos conseguiram reconstituir os fatos. Estes foram sintetizados, em ordem numérica, no boletim de ocorrência encaminhada ao comandante do batalhão.

1 - São duas casas não geminadas, mas no mesmo terreno, espaçadas por cerca de sete metros. Logo depois do ´Parabéns a Você´ da festinha da criança de cinco anos, irrompeu na casa vizinha uma relação heterossexual em altos brados.

2 - O apontado Fulano de Tal diz que a intimidade dele com a companheira é feita sob a proteção da privacidade de seu lar, não havendo exposição visual.

3 - A apontada parceira Dona Sicrana faz apologia de sua quentura sexual, dizendo que a expressão verbal do gozo é livre, e que ninguém tem nada com isso.

4 - Os pais do aniversariante pedem providências por ofensa à ingenuidade das crianças, perturbação de sossego e ameaças que teriam sofrido do sedizente tórrido casal, após as reclamações.

Ante o inusitado, o coronel avaliou conveniente informar logo ao diretor do foro e ao promotor da Infância e Juventude. Estes, por sua vez, convocaram outros operadores da cena judicial para uma reunião de análise da conjunção.

Foi quando o estagiário forense proferiu uma pérola:

- Vamos propor uma conciliação e regras. Se houver acordo, a gente oferece balões coloridos aos pais para que levem às crianças prejudicadas; e damos camisinhas seguras ao casal apaixonado.

O magistrado fuzilou o estagiário com um olhar severo e, após cinco segundos de instigante silêncio, determinou-lhe que não desse mais palpites.

Na busca de uma solução, foi designada audiência para a próxima sexta-feira. Foram intimados os queixosos, o casal barulhento e os pais de algumas crianças prejudicadas. Na cidade só se fala nisso.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.