Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Responsabilidade solidária não pode ser invocada contra consumidor para ressarcir prejuízo de hospital



A responsabilidade solidária existente entre os integrantes da cadeia de fornecimento de bens ou serviços, aplicável na reparação de danos sofridos pelo consumidor, não pode servir de base para que se cobre do consumidor um prejuízo sofrido no âmbito da relação entre empresas.

Com esse entendimento, a 3ª Turma do STJ rejeitou o recurso do Hospital Sírio Libanês, de São Paulo (SP) que tentava cobrar diretamente do paciente a dívida de R$ 47 mil decorrente de uma internação, após ter conhecimento da falência da operadora de planos de saúde.

Segundo a decisão que negou provimento a recurso especial, “em casos assim, é inviável aplicar a tese de responsabilização solidária contra o consumidor”.

A ação foi ajuizada em 27 de maio de 2005 e teve demorada tramitação na Justiça paulista. O recurso especial foi interposto em 19 de agosto de 2014 e só chegou ao STJ em 25 de agosto de 2016.

Este, antes de ser internado, assinou um termo declarando que assumia a responsabilidade pelos encargos hospitalares, caso não fossem cobertos pelo plano de saúde.

No recurso ao STJ, a entidade mantenedora do Hospital Sírio Libanês alegou que “o termo de responsabilidade assinado pelo cliente caracteriza responsabilidade solidária e é instrumento jurídico suficiente para autorizar a cobrança diretamente contra ele”.

A relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, explicou que o TJ-SP, ao analisar o termo assinado pelo consumidor, concluiu que se tratava de responsabilidade subsidiária, ou seja, o hospital deveria primeiro esgotar as tentativas de receber da operadora do plano (devedor principal), para só então cobrar a dívida do consumidor.

No entanto, não há no processo indicação de que o hospital tenha tentado cobrar o valor do devedor principal ou de sua sucessora, embora a carteira de clientes dos planos de saúde tenha sido transferida a outro grupo.

A ministra enfatizou que a responsabilidade solidária possível de existir nesses casos é fundada no CDC e serve exclusivamente para reparação de danos sofridos pelo consumidor, jamais podendo ser invocada como argumento para que o próprio consumidor arque com os prejuízos causados nas relações entre empresas participantes da cadeia de fornecimento. (REsp nº 1695781).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Frustrada tentativa de manipular a jurisdição

STJ define que a desistência da recorrente não impede o julgamento de recurso. Caso envolve a confirmação da condenação de operadora de saúde a fornecer medicamento para o tratamento de câncer e cria um precedente.

Legalidade de multa aplicada à Unimed por negar cobertura de serviço em cirurgia

A operadora se recusava a cobrir os honorários do responsável pela instrumentação.  Acórdão do TRF-4 diz que “foge à normalidade surpreender o usuário submetido a procedimento cirúrgico, com cobrança de honorários de instrumentador, que deve necessariamente estar inserido na equipe médica”.

Quis ganhar no grito, mas desistiu...

A Agência Nacional de Saúde Suplementar conforma-se com a liminar concedida pela presidente do STF. O diretor setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, verborragicamente, diz que “a intenção era ampliar as proteções ao consumidor e promover maior bem-estar na sociedade!...