Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018.

Juíza Vera Deboni é eleita para presidir a Ajuris no biênio 2018/19



Joice Proença

Imagem da Matéria

Vera Deboni, a futura presidente

A catarinense Vera Lúcia Deboni foi eleita para presidir a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) no biênio 2018/2019. Ela obteve 679 votos contra 455 dados à desembargadora Adriana Ribeiro. Os respectivos percentuais foram de 59,8% e 40,2%

A apuração ocorreu na sexta-feira (8). A posse da nova diretoria será no dia 1º de fevereiro.

Entre 1.134 efetivos votantes, a diferença foi de 224 votos.

Vera encabeçou a chapa de situação, também composta por Orlando Faccini Neto (vice-presidente administrativo); Cristiano Vilhalba Flores (vice-presidente de patrimônio e finanças); Madgéli Frantz Machado (vice-presidente cultural); Patrícia Antunes Laydner (vice-presidente social); e Felipe Rauen Filho (vice-presidente de Aposentados).

A Escola da Ajuris será dirigida pelo desembargador Jayme Weingartner Neto; o juiz Roberto Ludwig será o vice-diretor.

Atual vice-presidente administrativa (licenciada) da entidade, Vera disse que comandará “uma gestão de diálogo com a sociedade, porque essa é a grande característica diferencial da Ajuris”.

Será a segunda vez nos 73 anos de sua existência que a entidade terá uma mulher no comando – a primeira foi no biênio 2006/07, com a magistrada Denise Oliveira Cezar.

Perfil da futura presidente

Vera Lúcia Deboni é natural de Chapecó (SC) e formou-se em 1984 em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria. Atuou como pretora entre 1987 e 1990, quando assumiu como juíza de direito. Atuou nas comarcas de Tupanciretã (pretora), Santo Ângelo, Três de Maio, Santa Maria e Porto Alegre. Atua na área da Infância e Juventude desde 1995.

Na Ajuris já atuou como vice-presidente cultural (2000/2001), diretora da sede campestre (2004/2005 e 2006/2007), presidente do Conselho Deliberativo (2008/2010) e diretora do Departamento de Coordenação de Processos Judiciais (2014-2015).

Ela também foi juíza auxiliar da presidência do CNJ, tendo atuado no programa Justiça ao Jovem.

Foram colhidos no pleito 1.155 votos válidos, sendo 16 brancos e 5 nulos.  A eleição também conduziu 15 membros ao Conselho Deliberativo e três ao Conselho Fiscal (confira lista abaixo).

Nominata dos eleitos

Conselho Executivo:

Vera Lúcia Deboni – Presidente
Orlando Faccini Neto – Vice-Presidente Administrativo
Cristiano Vilhalba Flores – Vice-Presidente de Patrimônio e Finanças
Madgéli Frantz Machado – Vice-Presidente Cultural
Patrícia Antunes Laydner – Vice-Presidente Social
Felipe Rauen Filho – Vice-Presidente de Aposentados.
Escola da Ajuris:
Jayme Weingartner Neto – diretor
Roberto José Ludwig – vice-diretor

Conselho Fiscal:

Fabio Vieira Heerdt
Adão Sérgio do Nascimento Cassiano
Leandro Figueira Martins
Conselho Deliberativo:
Angelo Maraninchi Giannakos
Jocelaine Teixeira
Alexandre Kreutz
Henrique Osvaldo Poeta Roenick
Joseline Mirele Pinson de Vargas
Roberto Laux Junior
Suélen Caetano de Oliveira
Leoberto Brancher
Mauro Peil Martins
Flavio Bernardo Jeckel
Alberto Delgado Neto
Jaime Alves de Oliveira
Michele Soares Wouters
Niwton Carpes da Silva
Jerson Moacir Gubert.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.

Ataque contra dois juízes no Foro da Comarca de Marau (RS)

Foram disparados no mínimo seis tiros. A intenção era libertar um preso que prestava depoimento. Reação policial imediata prendeu três homens. Veja cenas e escute os tiros, em filmagem feita por celular.