Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 17 de agosto de 2018.

TST rejeita admissão do CF-OAB como “amicus curiae” em recurso de advogado



A 6ª Turma do TST indeferiu o pedido feito pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil para sua admissão como ´amicus curiae´ em processo em que o advogado Ari Leite Silvestre, de Santa Catarina, foi acusado pela cliente de reter parte do valor recebido em ação movida contra ex-empregadora.

Os ministros entenderam que a participação da entidade não se justificava.

Segundo o julgado, o pedido formulado pelo CF-OAB deu-se apenas após a inclusão do processo em pauta para julgamento pelo TST: “Desse modo, diante dessas circunstâncias, não há justificativa para admissão do requerente como amicus curiae, a teor do que dispõe o artigo 138 do CPC, nem há como a entidade requerente contribuir para o desenlace da questão”.

Para entender o caso

• O advogado, contratado por sindicato, teria retido R$ 300 de um total de R$ 1.500 auferidos pela trabalhadora após acordo firmado com a empresa, em outubro de 2012, referente a pagamento de indenização por danos morais.

• Segundo a cliente, em momento algum, o advogado a informou que teria de pagar honorários advocatícios. Disse ainda não se lembrar de ter assinado qualquer contrato ou recibo com o profissional.

• O sindicato foi intimado para prestar esclarecimento, mas informou que jamais autorizou qualquer procurador a cobrar, dos sindicalizados, valores a título de honorários advocatícios.

• Mas, segundo o advogado, o sindicato é que teria cometido ato de improbidade administrativa, “capitaneando trabalhadores para irem à Secretaria queixar-se do seu próprio advogado”.

• O juízo da 2ª Vara do Trabalho de Rio do Sul (SC) considerou descabida a apropriação de valores por parte do patrono. “O advogado, além de não negar a noticiada retenção de valores, não junta qualquer contrato de honorários advocatícios firmado com a autora”, diz a decisão.

• O advogado Ari Leite Silvestre tentou mudar a decisão, com recurso para o TRT da 12ª Região (SC). Mas este manteve a sentença e considerou incontroversa a inexistência de autorização do sindicato para a cobrança de honorários dos trabalhadores por ele assistidos. Para o TRT catarinense, houve conduta ilícita, “configurando um ato atentatório à dignidade da justiça”.

Amicus Curiae

No TST, o recurso do advogado recebeu o apoio do CF-OAB que, por meio de petição, solicitou sua inclusão como “amicus curiae” no processo, “por se tratar de discussão acerca de prerrogativa profissional, sendo necessário o reconhecimento da incompetência da Justiça do Trabalho para o julgamento do processo, ou, ultrapassada referida preliminar, seja reconhecida a possibilidade de cumulação de honorários assistenciais e contratuais”.

A ministra relatora, Kátia Arruda, disse ser incontroversa a competência da Justiça do Trabalho para julgar o caso, uma vez que se trata de relação entre empregado e advogado contratado pelo respectivo sindicato, “tendo objeto ligado diretamente a uma ação trabalhista proposta com a assistência da entidade sindical”.

A relatora afirmou também que não se trata de controvérsia de natureza civil entre advogado e cliente a respeito de honorários advocatícios contratuais.  (Ag-AIRR nº 1405-49.2012.5.12.0048 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Desagravo para advogada intimidada por juiz trabalhista

A profissional da advocacia Simone Batista foi destratada pelo magistrado André Ibanos Pereira, na 7ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. “A sala de audiências virou palco de abuso de poder, com o magistrado agindo de forma arrogante e intimidadora” – diz a nota da OAB-RS, lida durante a solenidade.