Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 22 de maio de 2018.
http://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_13.jpg

Ilegalidade, imoralidade e lesividade em empreendimento imobiliário em Canela (RS)



Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Maps

Imagem da Matéria

Ação popular contra a Maiojama

Sentença judicial publicada na última quinta-feira (25) determina que a Maiojama Participações Ltda. pague ao Município de Canela (RS) a indenização nominal de R$ 25.936.938,95. Com correção, juros, honorários e custas, a conta atualizada chega a R$ 39 milhões, aí considerados 144% de juros legais.

O empreendimento imobiliário Reserva da Serra - que deu origem à demanda - já está concluído e é anunciado como “um cenário diferenciado, cheio de tranquilidade, espaço, personalidade e beleza”. A publicidade assegura que “quem atravessa o pórtico adentra em um cenário diferenciado, onde a natureza faz par com a arquitetura, criando um oásis de qualidade de vida”.

O autor da ação popular é o advogado gaúcho Humberto Luiz Vecchio (OAB-RS nº 54.280). Ele atua em causa própria, acompanhado pelo colega Eduardo Pompermeier Silveira (OAB-RS nº 55.574). São réus o próprio Município de Canela, o ex-prefeito e a ex-vice dali, Cleomar Eraldo Port e Carmen Lúcia de Moraes (ambos do PP) e a empresa Maiojama.

A demanda teve tramitação espantosamente demorada (12 anos) e discute a lesão financeira causada ao erário municipal, após a autorização para a implantação do loteamento residencial.

Legalmente, da área total de 95.341 metros quadrados, no mínimo 2.500m² deveriam ser reservados para praças públicas, o que na prática não ocorreu. O ente municipal, via lei local (nº 2.382), aprovada “posteriormente, em 2005, em tempo recorde pela Câmara Municipal” (expressão textual do processo), desistiu das áreas verdes que deveriam ser preservadas, em troca de uma contrapartida financeira paga pela empresa: R$ 250 mil.

A juíza Simone Ribeiro Chalela reconheceu “a ilegalidade, a imoralidade e a lesividade” - para o que se baseou em levantamento de engenharia, “em que está comprovada a absurda disparidade entre o valor pago (R$ 250 mil) pela Maiojama, e a cifra apontada pelo laudo pericial”.

Não há trânsito em julgado. Todas as partes ainda podem recorrer ao TJRS. (Proc. nº 041/1.06.0000095-3).

Leia a íntegra da sentença: “Ilegalidade do ajuste feito entre o Município de Canela e a empresa Maiojama”.

 A defesa judicial da Maiojama

A contestação da Maiojama Participações tem 29 laudas. Relatou ter adquirido a área de terras e que “depois da devida tramitação administrativa, o empreendimento foi aprovado pelo Alvará de Licença de n.º 493, expedido pela Prefeitura Municipal”.

Narrou que, em maio de 2005, o Município recebeu parcialmente o empreendimento, que “recebeu o licenciamento ambiental dos órgãos competentes, atendendo a todas as exigências”. Falou que se obrigou a atender a novas exigências e que por meio de “compromisso de ajustamento de conduta alcançou ao Município o valor em pecúnia no montante de R$ 250 mil para recuperação da área conhecida como Parque do Lago”.

A Maiojama também impugnou as afirmações feitas na petição inicial, bem como os valores nela mencionados. Sustentou que inexistiram prejuízos ao erário e refutou a alegação de que tenham havido vícios no processo legislativo.

 Concorrência hoteleira desleal

A 6ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que condenou o Hotel Embaixador Inn, da cidade de Itajubá (MG), a pagar indenização de R$ 40 mil ao Hotel Embaixador de Porto Alegre. O julgado reconhece “a proibição de um estabelecimento hoteleiro usar marca de outro congênere, mesmo localizado em Estado diferente”.

O acórdão também proíbe o estabelecimento mineiro de, doravante, alardear sua marca em qualquer veículo de comunicação.

A empresa gaúcha opera há mais de 50 anos no mercado hoteleiro porto-alegrense e tem há 40 anos a marca ‘‘Hotel Embaixador’’ registrada no INPI. (Proc. nº 70074319443).

 Advogados de porta de cadeia: foi apenas “um desabafo”.

Decisão do presidente do TJRS, desembargador Luiz Felipe Difini, arquivou a representação administrativa apresentada pela OAB-RS contra o desembargador Sylvio Baptista Neto, presidente da 1ª Câmara Criminal da corte estadual, por apontada “incontinência verbal”.

O reclamo da Ordem gaúcha foi apresentado ao Conselho Nacional de Justiça, pretextando a ocorrência de “falta de cortesia, serenidade e urbanidade”.

O CNJ encaminhou o expediente ao tribunal gaúcho, por entender que o caso comportava análise e decisão apenas da corte estadual.

Para a OAB-RS, o desembargador Baptista Neto ofendeu advogados e defensores públicos, num julgamento ocorrido em 23 de agosto do ano passado. “Fico com a impressão que os defensores públicos, tal qual ´advogados de porta de cadeia´, estão procurando, por vários meios inidôneos, atrasar uma sentença condenatória” – escreveu o magistrado no acórdão. O desembargador é juiz de carreira desde 1998, sendo o sexto, por antiguidade, na magistratura gaúcha. (Proc. nº 70074713462).

Na decisão que arquiva a representação, o presidente Difini acolheu inteiramente o parecer (nº 254/2017) da juíza-assessora Eliane Garcia Nogueira. Para esta, “não houve intenção de ofender, inexistindo conduta desrespeitosa – e assim, por corolário lógico, não há o que ser averiguado na esfera administrativa”.

A juíza Elaine também concluiu que “o excelentíssimo desembargador apenas externou seu posicionamento com o sistema recursal, fazendo verdadeiro desabafo” (...) e “se a linguagem utilizada poderia ser diversa e se foi, ou não, de bom gosto, são questões irrelevantes do ponto-de-vista do processo disciplinar”. (Expediente nº 0139-17/000179-4).

Leia na base de dados do Espaço Vital: como foi o incidente entre desembargador e advocacia.


Comentários

Solon Mota E Silva - Advogado 03.02.18 | 00:28:13

É puro corporativismo que deflui desta decisão.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

OAB-RS exclui mais dois advogados

 Estão defenestrados do exercício profissional 32 homens e 17 mulheres. Sociólogos talvez possam explicar porque os profissionais do gênero masculino são os mais punidos.

 Indulto para Lula, se Ciro Gomes for eleito presidente?

 Maior jornal de Londres elogia Sérgio Moro como “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

OAB-RS suspende advogado por 180 dias

Ex-dono do Grupo Educacional Facinepe, Faustino da Rosa Júnior (OAB-RS nº 65.305) tem seu nome envolvido em irregularidades na oferta de cursos de pós-graduação. Ele (E) chegou a distribuir títulos de “Doutor Honoris Causas” a pessoas famosas como Silvio Santos

Jeitinho brasileiro para agradar magistrados e promotores

•  O auxílio-moradia – sem lei, mas com acordo a ser homologado no STF – vai ficar valendo para sempre. Fora do teto constitucional e sem pagar imposto de renda. Saiba como!

•  A Advocacia-Geral da União teria mudado de opinião. “Rádio-corredor” do CF-OAB diz que é a “moda Gilmar”.

• Suzana Richtofen matou os pais em 2002. Mesmo sem ter filhos, vai curtir uma “saidinha” pelo Dia das Mães, durante seis dias...

•  Juíza acolhe reclamação de advogado porto-alegrense: “o promotor tá loco”.

“Quem Ensinou Fui Eu”: cantoras mato-grossenses para descontrair evento nacional da magistratura

•  O encontro jurídico tem patrocínio de empresas e de associação que congrega 13 mil cartórios. Políticos também estarão presentes.

•  A ação penal decana – contra senador - que está no Supremo desde 1998.

•  A advertência de Roberto Barroso sobre o sistema penal brasileiro: “Ele é feito para recolher um menino pobre e não consegue prender essas pessoas que desviam por corrupção”.

Representação criminal da OAB contra a venda de carteiras de advogado

•  Anúncio no saite Mercado Livre oferece “OAB – Carteira Registrada” à venda por R$ 1.000 (à vista). Pagamento também pode ser feito via cartões de crédito, em 12 parcelas de R$ 97,29 (preço final: R$ 1.167,48).

•  Homem que fez ostentação pública do adultério indenizará a ex-esposa.

•  A ficção vai acrescentar um personagem (“Dario Prudente”) à sina dos políticos nordestinos que perderam a vida no auge da carreira.

•  Temer, o impopular, prega “critérios de educação cívica”...