Ir para o conteúdo principal

Edição (antecipada) de sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018.

Juíza Vera Deboni será empossada na presidência da Ajuris



Carlos Souza (Divulgação)

Imagem da Matéria

A juíza Vera Lúcia Deboni será a 35ª liderança a ocupar a presidência da Associação dos Juízes do RS (Ajuris) desde a fundação da entidade, em 1944. Segunda mulher a ascender ao comando, ela será empossada na quinta-feira (1º), às 17h30, no auditório do Foro Central II, para o biênio 2018/2019, sucedendo a Gilberto Schäfer.

A magistrada estará à frente da diretoria executiva que também é integrada por Orlando Faccini Neto (vice-presidente administrativo), Cristiano Vilhalba Flores (vice-presidente de patrimônio e finanças), Madgéli Frantz Machado (vice-presidente cultural), Patrícia Antunes Laydner (vice-presidente social) e Felipe Rauen Filho (vice-presidente de aposentados).

A Escola da Ajuris terá o desembargador Jayme Weingartner Neto como diretor e o juiz Roberto José Ludwig como vice-diretor.

Vera, de 57 anos, é natural de Chapecó (SC) e formou-se em Direito, em 1984, pela Universidade Federal de Santa Maria. Foi pretora entre 1987 e 1990, quando assumiu como juíza. Jurisdicionou as comarcas de Tupanciretã (pretora), Santo Ângelo, Três de Maio, Santa Maria e Porto Alegre. Desde 1995, atua na área da Infância e Juventude.

Na Ajuris, além do atual cargo de vice-presidente administrativa, já ocupou outros cargos. Ela também foi juíza auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, tendo atuado no programa Justiça ao Jovem. Durante dez anos foi professora universitária e atualmente integra o corpo docente da Escola da Ajuris.

A primeira mulher a presidir a Ajuris (2006 e 2007), foi Denise Oliveira Cezar.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.

Ataque contra dois juízes no Foro da Comarca de Marau (RS)

Foram disparados no mínimo seis tiros. A intenção era libertar um preso que prestava depoimento. Reação policial imediata prendeu três homens. Veja cenas e escute os tiros, em filmagem feita por celular.