Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 13 de julho de 2018.

Um habeas corpus escrito, por detento, em duas tiras de lençol



Foto Divulgação OAB Ceará

Imagem da Matéria

No dia 20 de maio de 2014 um fato no mínimo inusitado aconteceu no STJ. Pela primeira vez em sua história, o tribunal recebeu um pedido de habeas corpus escrito em um lençol. O requerente H.S.C.S. , preso no Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira, em Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (CE) escreveu na roupa de cama de sua cela as razões para progressão ao regime semiaberto.

O “documento” escrito a caneta da cor azul, em dois pedaços de tecido, com cerca de 1,5m de comprimento, chegou às mãos do ouvidor do STJ, ministro Humberto Martins. A relatoria coube à ministra Maria Thereza de Assis Moura.

Segundo Wanha Rocha, ouvidora da OAB-CE, responsável por encaminhar o pedido ao STJ, “o requerente provavelmente, escreveu no lençol porque era a única aneira que encontrou para se comunicar. Mesmo com as limitações, ele conseguiu se valer do direito dele. Em 24 anos de advocacia, nunca vi nada parecido”.

Como foi a decisão

Trata-se de habeas corpus impetrado em causa própria por H.S.C.S., apontando como autoridade coatora o Tribunal de Justiça do Estado do Ceará. Narra o impetrante/paciente que foi condenado à pena de 9 anos de reclusão, em regime inicial fechado.

Alega que "até esta data não foi citado pessoalmente do trânsito em julgado do recurso de apelação no TJ/CE, o que aguarda com ansiedade, para recorrer ao STJ e STF em defesa de sua inocência" (fl. 2).

Afirma que "os requisitos do art. 312 do CPP estão comprovadamente ausentes no caso do paciente" (fl. 3).

Requer, liminarmente e no mérito, seja expedido alvará de soltura em seu favor.

É o relatório.

Da confusa exordial não é possível extrair qual seria o eventual constrangimento ilegal experimentado pelo impetrante/paciente, tampouco qual seria a sua situação penal, dado que o arrazoado é ininteligível. Por tal motivo, indefiro liminarmente o habeas corpus, conforme disciplina do art. 210 do Regimento Interno do Superior Tribunal de Justiça.

Em homenagem à mais ampla defesa, encaminhem-se cópias da inicial à Defensoria Pública do Estado do Ceará, a fim de que proceda às medidas que entender pertinentes.

Cientifique-se ao Ministério Público Federal. Publique-se.

Sem recurso, ao arquivo.

Brasília, 22 de maio de 2014.

Maria Thereza de Assis Moura, relatora.

_______________________________________________________

Não houve recurso. O requerimento foi arquivado. A peça escrita em duas tiras de lençol está no museu do STJ.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Relator da Lava Jato confirma revogação da decisão que mandava libertar Lula

“A qualidade que se auto atribui o ex-presidente não tem nenhuma propriedade intrínseca que lhe garanta qualquer tratamento jurídico diferenciado, ou que lhe assegure liberdade de locomoção incondicional” – escreveu o desembargador João Pedro Gebran Neto. Revogadas todas as decisões proferidas pelo plantonista Rogério Favreto.

STJ nega novo habeas corpus interposto em favor de Lula

Após o conflito jurisdicional do domingo, houve o ingresso de 146 HCs na corte superior. Presidente Laurita Vaz diz que a decisão do plantonista Rogério Favreto, do TRF-4, foi “inusitada e teratológica”.

O doce lar e a doce vida de José Dirceu

Dias Toffoli cassa, de ofício, decisão de Sérgio Moro que havia imposto tornozeleira eletrônica ao todo-poderoso ex-chefe da Casa Civil de Lula. Estão permitidas também viagens ao exterior e comunicação com outros acusados ou testemunhas.

Sete anos de prisão para ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio

Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa. O “Quinto de Ouro” envolve o pagamento de uma mesada dos empresários de ônibus para os conselheiros do tribunal. Envolvimento também do filho, conselheiro seccional (afastado) da OAB do Rio.