Ir para o conteúdo principal

Edição de TERÇA-feira, 13 de novembro de 2018.

Amor à prova de balas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Cena 1 - O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira: dois tiros. Um (de raspão) na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão.

O acusado é condenado no júri e fica preso por algum tempo. Com o seu bom comportamento no cárcere e pelo cumprimento de um sexto da pena, obtém a progressão do regime.

Solto ele, os dois companheiros (o agressor e a vítima) oficializam a união. Casam e vêm a ter uma filha, com atuais 21 anos.

Na prática, os dois nunca tinham se separado. Mesmo quando ele estava preso, a mulher o visitava na cadeia, inclusive com direito a visitas íntimas.

Cena 2 – Em pleno regime conjugal, anos depois, o homem morre e a mulher vai à Justiça Federal buscar pensão por morte. Alega que, ao falecer, o marido trabalhava como boia-fria na região oeste de um dos Estados do sul.

Audiência designada, depondo ela relata sua triste estória de amor:

- "Meu marido bebia muito e ficava agressivo. Teve uma discussão comigo e disparou dois tiros; um acertou meu olho esquerdo, me tirando a visão. O outro tiro acertou de raspão na minha cabeça".

O juiz se comove e enquanto folheia documentos do processo pede, distraidamente, uma informação que já estava nos autos do processo.

- Como era o nome de seu esposo?

- Delito - responde a depoente.

Franzindo a testa, o magistrado procura consolar:

- Minha senhora, eu sei que o seu esposo cometeu um delito, mas isso não nos interessa mais. Afinal, ele já pagou sua pena à sociedade e, ademais, deixou o mundo terreno. O que pergunto é como se chamava o seu finado esposo.

- Delito Diomedes Fianco de Araújo era o nome dele - responde a viúva, já então tirando da bolsa surrada, a identidade do finado marido, logo colocada sobre a mesa do magistrado.

O juiz se surpreende, interrompe o depoimento e vai direto à imprescindível leitura das principais peças dos autos. Então constata que o "de cujus" efetivamente se chamava Delito, havia cumprido a pena por tentativa de homicídio contra a própria mulher, etc. Em seguida, comenta interrogativo, de modo a surpreender advogados, promotor e escrevente:

- Será que o nome Delito definiu o destino deste pobre homem, que veio a falecer bêbado, dentro de um velho automóvel, em acidente de trânsito?

O advogado da viúva não perde a oportunidade para arremedar:

- É possível que sim, doutor juiz. Mas o inegável é que a minha cliente manteve, com ele, um amor à prova de balas.

Cena 3 – A sentença concede a pensão buscada pela sofrida senhora. No foro federal ela fica conhecida com o codinome “a viúva do Delito”.

Com ´D´ maiúsculo, claro.


Comentários

Izaias Tavares Silvi - Estudante De Direito 11.04.18 | 10:42:24

Kkkk, essa foi boa. Espero novas por publicações como essa.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

Charge de Gerson Kauer

A política também tem essas coisas

 

A política também tem essas coisas

O José Teutônico um dia tornou-se político famoso. Seu gabinete estava recheado de assessores jovens, bonitos, bem vestidos, perfumados, alegres – às vezes até demais. De repente, ele divorciou-se da esposa socialite. E passou a ser conhecido como “Maninha”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

O salvamento da justiça

 

O salvamento da justiça

Apesar de advertido pelo colega de jurisdição, o magistrado embriagado lança-se ao rio, a pretexto de nadar. Começa a afogar-se, mas, felizmente, é salvo por circunstantes. Devolvido à terra firme, o juiz comemora em tom etílico: “A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos”...

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.