Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 13 de julho de 2018.

Possibilidade de pagamento em dinheiro para todos os aplicativos de transporte



A Câmara de Vereadores de Porto Alegre iniciou ontem (9) a votação das primeiras emendas de 27 propostas ao Projeto de Lei de Executivo (PLE) nº 16/17, que regula o serviço de transporte privado individual de passageiros por aplicativos, como Uber, Cabify e 99 Pop.

Os vereadores aprovaram seis emendas e subemendas na sessão. A principal delas muda o artigo 9º do texto original, enviado à casa pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), possibilitando que o usuário faça pagamento em dinheiro em todos os aplicativos disponíveis em Porto Alegre.

O PLE atualmente delimita que o pagamento seja feito exclusivamente via aplicativo, por cartões de crédito ou débito. A forma de pagamento aprovada muda o funcionamento dos aplicativos em si, disponibilizando que os condutores escolham a forma de pagamento desejada, se em dinheiro ou cartão.

O único aplicativo que permite isso, atualmente, é o 99 Pop, ao passo que o motorista da Uber só sabe a forma de pagamento do passageiro após aceitar a corrida; o Cabify aceita apenas pagamento via cartão.

Foi aprovada também uma emenda que visa alterar a forma de taxação tributária nos aplicativos, contrapondo o que prevê o projeto, que cobra a Taxa de Gerenciamento Operacional (TGO) de 20 Unidades Financeiras Municipais (UFMs) - valor que representa R$ 80,29 - mensais por veículo, independentemente do número de viagens realizadas.

A emenda aprovada institui a TGO no valor de 0,025 UFM por corrida, o que gira em torno de R$ 0,10 por viagem.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Aumenta o número dos aborrecidos com a TAP

Gato por lebre. Advogado gaúcho relata a desagradável experiência tida no Aeroporto Salgado Filho, quando se apresentou para um voo direto de Porto Alegre a Lisboa. E anteontem (4) uma emissora de tevê de Portugal informou que foram quase seis mil reclamações contra a empresa em 2017.

A sardinha...inha – menos pescado e mais azeite na lata

Caso gaúcho chegou ao STJ. A GDC Alimentos, dona da marca Gomes da Costa, foi condenada em ação civil pública, por diminuir a quantidade de pescado – que era completada por líquido – e pagará indenização por dano moral coletivo 

Difícil cancelar seu pacote de férias com a Coobrastur !

TJRS acolhe pedido de rescisão, formulado pela consumidora. Acórdão afirma que “o cancelamento de negócio deve ser simples como a contratação”. Planos vendidos pela empresa dão direito – conforme o valor pago - à hospedagem de 7 até 49 diárias, divididas em blocos de duas ou três 3 diárias, “até perfazerem o montante correspondente ao número de diárias da opção feita”.