Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.
http://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_13.jpg

Espaço especial para a mala do juiz...



Google Imagens

Imagem da Matéria

 A mala do juiz

Os passageiros do voo nº 4156 da Azul, de Porto Alegre para Curitiba, na quarta-feira (11), já estavam acomodados quando uma das aeromoças disse a um senhor que ocupava o assento 2D (na segunda fileira do lado direito da aeronave) que sua bagagem seria acomodada em outro local, um pouco mais adiante.

É que vamos ter que colocar aqui a mala do juiz” – explicou a comissária.

Foi nesse momento que Sérgio Moro entrou no avião e se acomodou no assento (2A) junto à janela da primeira fileira do lado esquerdo da aeronave. Antes, o magistrado não circulara pelo setor de embarque.

O jornalista Pedro Venceslau, do Estadão, que estava na poltrona 2C, do outro lado do corredor, tentou entrevistar Moro, mas ele apenas disse que “não seria possível, pois preciso trabalhar, mesmo a bordo”. O lugar ao lado do importante e adorado (por muitos) viajor ficou vago.

Ao perceber quem era o juiz que chegara, o passageiro cuja mala fora deslocada, assentiu patriótico e afirmou, dirigindo-se discretamente a Moro: “Parabéns, o senhor fez muito pelo Brasil”. Em seguida, a porta foi fechada.

Os que viram cochicharam, apoiando a pertinência da colocação da mala do juiz próximo a ele, no compartimento superior.

Eram 11h da manhã, quando o avião taxiou e se foi à capital paranaense, para um tranquilo voo com céu de brigadeiro.

 Porto Alegre é demais

Porto Alegre nos dói! Uma arquiteta estacionou seu carro ontem (12), às 8h40, no centro da cidade. A quadra escolhida estava vazia.

Como o compromisso dela era às 9h, aguardou sentada no veículo e ficou observando. Um flanelinha ficou rondando. Logo chegou outro automóvel, cujo condutor, um idoso, dirigiu-se ao parquímetro. O guardador foi junto e fez a abordagem. Em seguida outros três automóveis, simples e velhos, estacionaram e seus condutores não pegaram tickets no parquímetro e se foram a passos.

A arquiteta saiu de seu carro, dirigindo-se à máquina. O prestativo flanelinha avisou: “O parquímetro está estragado, não vai dar para a senhora pegar o ticket”.

Ela foi em busca de outra máquina a 50 metros de distância e conseguiu cumprir sua tarifada obrigação de cidadã. Uma hora e meia depois, concluiu o relato ao Espaço Vital: “Está claro que alguém estraga o parquímetro, para pedir dinheiro em troca de supostos cuidados aos veículos, ou para dar cobertura àqueles que estacionam sem pagar”.

Quem seria(m)?

Detalhe: as cenas reais foram na Rua General Câmara, entre a Riachuelo e a Praça Marechal Deodoro. A 20 metros do TJRS; a 100 m da Assembleia; e a 150 m. do Palácio Piratini.

Como dizem (parciais) versos de José Fogaça: “Porto Alegre me dói... Não diga a ninguém”...

Melhor seria como cantam outros versos do mesmo poeta: “Porto Alegre me tem... A saudade é demais... É lá que eu vivo em paz!”

Em paz?

 Quando eles não querem...

O senador Lasier Martins (PSD-RS) protocolou projeto de lei que autoriza a prisão após a condenação em segunda instância.

Detalhando: 1) O réu poderá ser preso após decisão recursal por um colegiado; 2) Mas não será tratado como culpado antes que ocorra o trânsito em julgado.

Em síntese: não seria violado o princípio constitucional da presunção de inocência.

Romero Jucá (PMDB-RR) e seus amigos já se manifestaram contrários.

E – segundo a bem informada ´rádio-corredor´ do Conselho Federal da OAB – Marco Aurélio, Lewandowsky e Toffoli “não gostaram”.

 Extermínio

Foram 44.056 as mortes de pessoas no trânsito brasileiro, em cidades e em rodovias estaduais e federais, no ano de 2017.

São números oficiais da grande carnificina brasileira.

Não nos serve o consolo de que haja ainda três países em pior situação: China, Índia e Nigéria. Cada um destes, com mais de 45 mil óbitos/ano.


Comentários

Lauri Krüger - Advogado 13.04.18 | 14:32:35

Comento o tópico QUANDO ELES NÃO QUEREM. Ressalto que a proposição é de Lasier Martins, jornalista, letrado, com formação superior em mais de uma área. Imagine se fosse proposta por um leigo, por alguém de poucas luzes ou por um energúmeno qualquer...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Sem acordo na AGU, auxílio-moradia para juízes não terá mudanças neste ano

 Ajuda para “morar melhor”: só em abril, a sangria nacional custou aos cofres federal e estaduais R$ 73,5 milhões.

 Treze tribunais não responderam ao CNJ sobre as folhas de pagamento de maio.

  Uma proposta legislativa para ajudar na remição das penas do ex-governador Sérgio Cabral.

O áudio polêmico do deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS)

  Em gravação, o parlamentar (MDB-RS) diz como “passar” a verba destinada à Saúde para reformar a sede da Associação dos Caminhoneiros de Santo Antonio da Patrulha.

 A informação e a dica do deputado: “Não tem no orçamento da União dinheiro pra passar pra ´associação X´, tá, é complicado. Aí acertamos com os vereadores e com o prefeito”.

  OAB-RS pede que o Ministério Público Federal investigue os fatos.

 Quem é “Feruminho?

Político exitoso de sete mandatos, Pompeo de Mattos tem ação trabalhista contra o Banco do Brasil

  Na Justiça do Trabalho de Porto Alegre, o deputado federal (PDT-RS) busca até indenização pela perda de uma chance. E chegou a pedir gratuidade da justiça.

 A maldição do impeachment de Dilma segue “tarrafeando” políticos de vários partidos.

  Parabéns mulheres! Pesquisa revela que o tempo médio gasto, por elas, com afazeres domésticos e/ou cuidando de pessoas da família, totaliza 92 horas por mês.

  Ministério Público oferece denúncia contra cinco diretores da Net. E o que é que Embratel, Claro e Globo tem a ver com isso?

Uma ação de pequena entidade gaúcha contra a poderosa General Motors

 Propaganda dita “enganosa” da picape S10 General Motors estaria atingindo os ambientalistas, exibindo “uma carga pejorativa a quem cumpre o papel de suma importância, que é a defesa do meio ambiente”.

 O que pode estar embutido na campanha “Agro é Pop, Agro é Tech, Agro é Tudo, Está Aqui, Está na Globo”.

  Em outra frente um pedido ao CONAR – Conselho Nacional de Auto Regulamentação Publicitária para que suspenda a veiculação do comercial.

FEPAM festeja proteção ambiental com ´banner´ de aves e mamífero que não são da fauna gaúcha

 O desmanche no RS das instituições ligadas à proteção do meio ambiente, ciência e tecnologia.

 “O Brasil que eu quero/ É um país com todos os corruptos presos /E sem liminar do Gilmar /Que os possa soltar”...

 Projeto de lei federal com gratuidade judicial para advogados cobrarem seus honorários.

  Que ciúme! Salário inicial de advogado em grande escritório dos EUA: piso de US$ 190 mil por ano (US$ 15.833 por mês, cerca de R$ 60 mil), a partir de 1º de julho

A grande vitória jurídica do Grêmio no STJ

 O clube vence demanda ajuizada pelo filho de Lupicínio Rodrigues e pelo instituto que leva o nome do falecido compositor.

 A questão envolve direitos autorais sobre o Hino do Grêmio e a expressão “Imortal Tricolor”. Relator esclarece que a expressão foi uma loa a Eurico Lara (acima, a foto do grupo que tinha o goleiro como expoente).

 Em Caxias do Sul, a tartaruga forense está na “mesa da Elenita”.

  Ex-procurador investigado quer ser juiz federal.

 OAB-RS exclui mais uma advogada: a lista tem 50 nomes.