Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Férias de magistrado não são moedas de troca



Decisão do STF estabelece que “não cabe ao Poder Judiciário - que não tem função legislativa - aumentar vencimentos de servidores públicos sob o fundamento de isonomia”. O entendimento, fixado na Súmula Vinculante nº 37, foi aplicado pelo ministro Celso de Mello para impedir que o juiz federal José Alexandre Franco (MG) vendesse um terço de suas férias.

A 1ª Turma Recursal da Subseção Judiciária de Juiz de Fora (MG) havia autorizado a venda, com a suposta justificativa da “simetria de vantagem entre os regimes jurídicos da magistratura e do Ministério Público, órgão que permite a conversão parcial das férias em abono”.

A propósito, o vernáculo define férias como “dias consecutivos para descanso de trabalhadores, após um período anual usualmente de 30 dias”.

É de lembrar que a magistratura brasileira sustenta seu direito ao descanso extrapolado (dois meses de férias, mais os generosos feriadões e recesso...) pela necessidade de completo retempero das energias intelectuais e físicas...

De repente, essas “pausas necessárias” se transformam em novos penduricalhos financeiros.

Na reclamação ao STF, a Advocacia-Geral da União alegou que a decisão violou a SV nº 37. Além disso, ressaltou que os juízes gozam de 60 dias de férias por ano, não existindo previsão normativa para convertê-las em abono pecuniário.

Celso de Mello concluiu que houve a violação apontada pela AGU. Além disso, o ministro entendeu que os fundamentos da decisão são incompatíveis com a Lei Orgânica da Magistratura (Loman), que estabeleceu, de modo exaustivo, as vantagens que o magistrado pode receber.

O julgado refere que "o princípio da divisão funcional do poder impede que, estando em plena vigência o ato legislativo, venham os tribunais a ampliar-lhe o conteúdo normativo e a estender a sua eficácia jurídica a situações subjetivas nele não previstas, ainda que a pretexto de tornar efetiva a cláusula isonômica inscrita na Constituição". (RCL nº 28.197).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Ceará News

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

 

Um plantão que vendia liminares na corte estadual

CNJ “pune” com aposentadoria o desembargador Carlos Rodrigues Feitosa (foto) do Tribunal de Justiça do Ceará. O grupo criminoso negociava, inicialmente, via WhatsApp e a soltura de criminosos custava de R$ 50 mil a R$ 500 mil. Advogados envolvidos, inclusive um filho do magistrado, respondem a ação penal.

Por “uma Justiça melhor”, Brasil sediará a 9ª Conferência da IACA

Será de 16 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu. “Tolerância zero para a corrupção” é um temas do evento. Presidente da Suprema Corte da Suécia fará a conferência de abertura. Brasileiro Sérgio Moro palestrará sobre “Combate permanente à corrupção no mundo”.