Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta, 20 de maio de 2022.
(Próxima edição: terça dia 24 de maio.)

Posto de gasolina não é responsável em caso de assalto a clientes



O dever de segurança de posto de combustível frente aos seus consumidores diz respeito à qualidade do produto, ao correto abastecimento e à adequação das instalações. Assalto ocorrido em suas dependências é caso fortuito, não vinculado ao risco do negócio, e não enseja indenização.
 
A decisão, unânime, é da 3ª Turma do STJ. O caso julgado é oriundo de São Paulo.

Dois clientes tiveram o carro levado por dois assaltantes, em roubo à mão armada, enquanto abasteciam o veículo. Diante da situação, buscaram reparação civil frente ao estabelecimento. Para os autores, "o posto teria dever de minimizar os riscos à segurança de seus clientes, com a manutenção de vigias e seguranças".

A pretensão foi negada em todas as instâncias. No STJ, o ministro Massami Uyeda destacou que "um posto de gasolina é local necessariamente aberto ao público, e a ocorrência de assalto nessas condições não está relacionada à prestação específica de seu serviço".
 
Conforme o julgado, ainda que fosse possível ao estabelecimento manter câmeras de vigilância ou cofres, a prevenção de delitos não se enquadraria em sua atividade própria. O relator ponderou ainda que a manutenção de seguranças no local seria inconveniente, em razão dos riscos de explosão que um disparo de arma de fogo traria. A providência, afirmou, teria pouca ou nenhuma utilidade.

O voto do relator apontou também que "a hipótese não se confunde com a responsabilidade de instituições bancárias perante os clientes - porque, para os bancos, há uma legislação própria, a Lei nº 7.102/83, que impõe a esses estabelecimentos um dever específico de segurança em relação ao público em geral". (REsp nº 1243970 - com informações do STJ).

Notícias Relacionadas

Foto: Cacspotter

As causas da tragédia com o avião da Chapecoense

 

As causas da tragédia com o avião da Chapecoense

Segundo as conclusões oficiais houve “a perda de controle devido a esgotamento do combustível, falha humana e descumprimento de protocolos de abastecimento”. O Instituto Médico Legal de Medellín declarou que das 71 vítimas fatais, a maioria morrera por “graves lesões em ossos e vísceras”, provocadas pela queda.