Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de maio de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 11).

Gafe: agência oficial cassa mandato 40 minutos antes da votação



“O senador por Goiás teve seu mandato cassado pelo plenário do Senado, que o considerou culpado da acusação de envolvimento com esquema de Carlinhos Cachoeira”.  A frase passa uma informação verídica ao leitor, mas trata-se de uma gafe cometida no início da tarde de ontem (11), pela Agência Senado.

O texto publicado às 12h49 no saite do órgão oficial de notícias do Senado informava que o político sem partido teve os direitos políticos cassados - aponta a versão online de O Globo, apontando a gafe oficial.

Porém, naquele horário, a votação realizada no Senado ainda não tinha sequer começado. A cassação foi consumada às 13h29.

A matéria da agência trazia o espaço para registrar a quantidade de votos favoráveis à cassação.

Sem explicações por parte da Agência Senado, a nota intitulada “Demóstenes está inelegível até 2027” foi retirada do ar cinco minutos depois de sua publicação original. Responsável por identificar a “barriga”, o jornalista Evandro Éboli, de O Globo, afirma em sua reportagem que o saite tentou “adiantar” o trabalho, mas cometeu “uma gafe e tanta”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Amarildo – www.amarildo.com.br

Cerco aos tribunais

 

Cerco aos tribunais

Revista IstoÉ registra que “contrariando um princípio fundamental da democracia - a autonomia dos Poderes - a presidente Dilma pressiona sem cerimônias ministros do STF, TSE e TCU a fim de evitar a aprovação de processos que podem levar ao seu afastamento da Presidência”.

Supremo reafirma o direito de criticar

Revertido acórdão que condenara o jornalista Paulo Henrique Amorim a indenizar o banqueiro Daniel Dantas. Decisão de Celso de Mello refere que “o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”.

"A tesoura que assombra a RBS"

Matéria assinada pelo jornalista Luiz Cláudio Cunha afirma que "o foco da Rede Brasil Sul de Comunicações não está mais no jornalismo".