Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).

Defensoria Pública ajuíza ação contra a Editora Abril



A reportagem de capa da edição da revista Veja de duas semanas atrás - que abordou o caso de quatro menores de idade que teriam estuprado e assassinado uma jovem no interior do Piauí - virou alvo da Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Para o órgão, “o veículo de comunicação violou direitos de adolescentes”. A ação foi ajuizada no último dia 30. As informações são do saite Comunique-se.

Ao relatar em seu saite os motivos da ação, a Defensoria alega que o material produzido pela Veja “torna possível a identificação dos adolescentes suspeitos”, o que representa “violação a uma série de normas” (...) “incitando o justiçamento contra o quarteto juvenil”.

A petição inicial argumenta que a reportagem facilitou a identificação dos rapazes, considerando a popularidade e abrangência nacional da revista e os acessos por meios eletrônicos e redes sociais, além do fato de Castelo do Piauí – onde ocorreram os fatos - ser uma cidade de apenas 19 mil habitantes.

Conforme a ação, o risco de linchamento já havia feito as audiências de apresentação dos adolescentes serem transferidas para Teresina, afirma o saite da Defensoria.

A ação contra a editora responsável pela produção e comercialização da Veja tem como signatários 12 defensores públicos.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Amarildo – www.amarildo.com.br

Cerco aos tribunais

 

Cerco aos tribunais

Revista IstoÉ registra que “contrariando um princípio fundamental da democracia - a autonomia dos Poderes - a presidente Dilma pressiona sem cerimônias ministros do STF, TSE e TCU a fim de evitar a aprovação de processos que podem levar ao seu afastamento da Presidência”.

Supremo reafirma o direito de criticar

Revertido acórdão que condenara o jornalista Paulo Henrique Amorim a indenizar o banqueiro Daniel Dantas. Decisão de Celso de Mello refere que “o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”.

"A tesoura que assombra a RBS"

Matéria assinada pelo jornalista Luiz Cláudio Cunha afirma que "o foco da Rede Brasil Sul de Comunicações não está mais no jornalismo".