Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

Lula diz que só vai desistir no dia em que morrer...



Lula assistiu a derrota jurídica ao lado dos filhos, netos e de militantes do PT, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista. Ele chegou às 10h08, junto com o pré-candidato do PT ao governo de São Paulo Luiz Marinho; Roberto Teixeira, seu compadre e advogado; e o presidente do sindicato, Wagner Santana. À frente do sindicato, foi recebido por cerca de 500 pessoas que o saudaram com o grito "Brasil urgente, Lula presidente".

O ex-presidente ficou o tempo todo no segundo andar do prédio, que teve as janelas e varandas protegidas por panos azuis e vermelhos para impedir imagens da intimidade ao longo do julgamento.

Apesar de tentar demonstrar otimismo, Lula já apontou para o futuro: "Temos muito tempo pela frente para mostrar o equívoco, as mentiras contadas contra o PT e contra mim nesses últimos anos".

Ele disse também que tem muita tranquilidade para enfrentar adversidades, com noção dos problemas que o país está vivendo. “Tenho certeza de que não cometi crime algum, assim como tenho certeza de que o que está acontecendo comigo é muito pouco perto do que estão fazendo com milhões de brasileiros que não entenderam a reforma trabalhista e vão ser massacrados”.

Antes de encerrar sua rápida conversa com os jornalistas, Lula deixou um aviso: "Só no dia em que eu morrer eu vou parar de lutar pela democracia”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.