Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 19 de fevereiro de 2019.

Juíza Vera Deboni será empossada na presidência da Ajuris



Carlos Souza (Divulgação)

Imagem da Matéria

A juíza Vera Lúcia Deboni será a 35ª liderança a ocupar a presidência da Associação dos Juízes do RS (Ajuris) desde a fundação da entidade, em 1944. Segunda mulher a ascender ao comando, ela será empossada na quinta-feira (1º), às 17h30, no auditório do Foro Central II, para o biênio 2018/2019, sucedendo a Gilberto Schäfer.

A magistrada estará à frente da diretoria executiva que também é integrada por Orlando Faccini Neto (vice-presidente administrativo), Cristiano Vilhalba Flores (vice-presidente de patrimônio e finanças), Madgéli Frantz Machado (vice-presidente cultural), Patrícia Antunes Laydner (vice-presidente social) e Felipe Rauen Filho (vice-presidente de aposentados).

A Escola da Ajuris terá o desembargador Jayme Weingartner Neto como diretor e o juiz Roberto José Ludwig como vice-diretor.

Vera, de 57 anos, é natural de Chapecó (SC) e formou-se em Direito, em 1984, pela Universidade Federal de Santa Maria. Foi pretora entre 1987 e 1990, quando assumiu como juíza. Jurisdicionou as comarcas de Tupanciretã (pretora), Santo Ângelo, Três de Maio, Santa Maria e Porto Alegre. Desde 1995, atua na área da Infância e Juventude.

Na Ajuris, além do atual cargo de vice-presidente administrativa, já ocupou outros cargos. Ela também foi juíza auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, tendo atuado no programa Justiça ao Jovem. Durante dez anos foi professora universitária e atualmente integra o corpo docente da Escola da Ajuris.

A primeira mulher a presidir a Ajuris (2006 e 2007), foi Denise Oliveira Cezar.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Carnaval financeiro antecipado traz dois penduricalhos de volta

 

Carnaval financeiro antecipado traz dois penduricalhos de volta

Liminar concedida pelo corregedor nacional de Justiça Humberto Martins acolhe pedido da AMB. Decisão refere que "não há uma simetria no pagamento de vantagens dentro dos tribunais". Levantamento feito pela imprensa revelou que o TJRS foi, em 2018, o campeão nacional dos gastos com “auxílio-moradia”, pagando R$ 40,3 milhões a 768 magistrados da ativa, incluindo 125 desembargadores.

Ponto eletrônico para magistrados

Advogado, autor de pedido de providências no CNJ, quer solução cidadã contra juízes e desembargadores que adotam o “regime T-Q-Q”. Este compreende trabalho só às terças, quartas e quintas-feiras.

PJe vai incorporar sistema de penhora on-line

Vários procedimentos do Bacenjud - que atualmente são realizados em meio manual e demandam várias etapas - poderão ser sistematizados e acionados por uma plataforma única e de acesso fácil para magistrados e tribunais.

Babaquice tupiniquim

TRF da 2ª Região também exige paletós e gravatas, em nome do “decoro e respeito ao Poder Judiciário”. E a vice-presidente da OAB carioca, casada com o presidente da corte federal ironiza: “Hoje ele vai dormir na portaria”.