Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

A falta de provas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É 26 de janeiro em Porto Alegre, o segundo dia após o julgamento do TRF-4 que condenou o ex-presidente da República.

Iniciando suas atividades de 2018, um cursinho de Direito reúne duas dezenas de jovens interessados em participar de futuros concursos para a bem remunerada magistratura brasileira. O professor de Direito Penal diz que "nada melhor do que começarmos o ano letivo com descontração".

Então o mestre relata a história de um cidadão que acreditava muito em seu partido político. Mas ele desconfiava que sua mulher estivesse sendo adúltera, sempre que ele saía com a caravana de pré-candidaturas para 2018 ou se envolvia em concentrações partidárias.

Por isso, o cidadão resolve contratar um detetive para que, a partir de 24 de janeiro, seguisse a esposa.

Um dia depois, o cliente liga ao investigador.  O diálogo é objetivo.

- E aí, companheiro, como foi?

- Logo depois que o senhor saiu para a concentração de apoio, eu espiei por uma fresta e a vi fazer uma maquiagem caprichada e colocar peças íntimas sexies. Ela também vestiu uma blusa decotada e minissaia.

- E aí, e aí?

- Sem demora, chegou um bonitão em um conversível e ela partiu com ele. Eu me pus a segui-los...

- E aí, e aí?

- Eles partiram em direção à zona dos motéis e fui atrás.

O maridão - já antevendo o pior - questiona:

- E onde o carro entrou?

- No Motel Donzela de Ouro, o mais caro da região.

- E aí, e aí?

- Não sei mais nada, o motel era indevassável e não consegui entrar. Mas imagino que os dois tenham ficado nus e deitados na cama...

O marido já aborrecido, mas ainda não definitivamente inconsolável, então lamenta:

- Esta falta de provas é que me mata!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.