Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.

Negado seguimento a dois recursos que insistem em absolvição sumária de Marisa Letícia



O TRF da 4ª Região negou o seguimento de recursos para que o STJ e o STF declarem a absolvição sumária da ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro de 2017. As decisões judiciais precedentes apenas declararam extinta a punibilidade da falecida esposa de Lula.

Marisa era ré em ação penal sobre tríplex atribuído ao ex-presidente. Em março de 2017, o juiz federal Sergio Moro declarou extinta a punibilidade da ex-primeira-dama, sem tratar da absolvição.

Para o advogado defensor Cristiano Zanin, o reconhecimento é necessário para afastar qualquer juízo negativo em relação à mulher de Lula, que foi “submetida a humilhações decorrentes de levantamento de sigilo de ligações telefônicas íntimas com os filhos”.

O advogado defensor sustenta a clareza do artigo 397, IV, do CPP, sobre o dever de o juiz absolver sumariamente o acusado nesse tipo de situação.

Já a 8ª Turma do TRF-4 concluiu que a presunção de inocência está preservada. “Se isso se dá na forma da absolvição sumária ou posteriormente, com a extinção da punibilidade, é irrelevante do ponto de vista material”, disse em novembro o desembargador federal João Pedro Gebran Neto.

A defesa da falecida queria levar a discussão ao STJ e ao STF, via recursos especial e extraordinário, por entender que o acórdão violou o artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal, que consagra o princípio da presunção de inocência.

Nenhum dos recursos foi admitido pela vice-presidente do TRF-4, desembargadora federal Maria de Fátima Freitas Labarrère. Ao decidir monocraticamente, a magistrada observa que “a ofensa ao dispositivo constitucional invocado, ainda que reconhecida, afetaria os preceitos constitucionais somente de modo indireto ou reflexo, sendo a reparação inviável em recurso extraordinário”.

Também, segundo ela, as decisões precedentes “se encontram harmonizadas com o entendimento do STJ acerca da matéria”.

Na prática, a defesa de Marisa pode ainda recorrer – via agravos de instrumento - ao Supremo e ao STJ, que ficariam responsáveis por analisar a negativa de trânsito, ou a admissibilidade dos recursos. (Proc. nº 5012663-97.2017.4.04.7000 – com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.