Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_azul_foto1.jpg

Promotor e juiz (ambos gaúchos) confundem seus dois corpos!



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Desde 1495 (Henrique VII) existe a ficção dos dois corpos do rei. Foi um jeito que o inicio da modernidade — na virada do medievo— encontrou para resolver o problema do corpo natural do rei e sua “divindade” (ou seu corpo imaterial). Não dá para explicar aqui. E nem vem ao caso. Já escrevi muito sobre isso em artigos e livros. O que importa aqui é contar duas histórias.

A primeira diz respeito aquando o Parlamento Inglês recorreu a essa ficção (1642) para conjurar, em nome e por meio da autoridade de Carlos I (corpo político-divino-imaterial do Rei), os exércitos que iriam combater o mesmo Carlos I (corpo natural e material do Rei).

Fantástico, não?

Por intermédio da Declaração dos Lordes e Comuns, o corpo político do Rei era retido no/e pelo Parlamento, enquanto o corpo natural era colocado “no gelo”.  Isto porque o Rei é a fonte da justiça e da proteção, mas os atos de justiça e proteção não são exercidos em sua própria pessoa, nem dependem de seu desejo, mas por meio de suas cortes e seus ministros que devem cumprir seu dever nesse sentido.  Sou apaixonado por essa temática. E tenho sido pioneiro nessa discussão a partir da hermenêutica.

Ou seja, tenho referido à saciedade que não me importam as opiniões pessoais dos juízes e promotores sobre os temas que apreciam e julgam. Eles devem julgar segundo o direito. Por isso trouxe à baila esse exemplo de Carlos I. Não se confundiam, ali, os seus dois corpos. Ou seja, não misturavam os assuntos da pessoa do Rei e (e com os) da Coroa.

Bingo. Binguíssimo!

Salto mais de 700 anos e chego ao Rio Grande do Sul, para o ano de 2005. Em um bucólico dia de julho, o juiz do interior fez um furdúncio na pequena cidade, movimentando um delegado de polícia, vários policiais militares e dois oficiais de justiça para, na agência bancária do Banco do Brasil, prender em flagrante o gerente. Ele estava inconformado com o que ocorrera com a sua conta corrente no BB.

Sua Excelência tinha ido parar na Serasa. Então o juiz misturou os assuntos. Misturou seus dois corpos. Bom, isso lhe custou caro. Muito caro. Foi abuso de direito. E pagou indenização ao gerente.

Lembremos do que disseram as Cortes no longínquo ano de 1642, na Inglaterra, sobre o agir do Rei: os atos de justiça não são exercidos em sua própria pessoa e nem dependem de seu desejo.  Mesmo que a pessoa do Rei pense o contrário, o que vale mesmo é o que deve decidir a Sua Majestade Real. Caso contrário, o Reino estaria refém das idiossincrasias da pessoa... Qualquer semelhança é mera coincidência...ou não.

O caso Abu Dhabi e o bumbo do Uruguai.

Por que conto isso acima? Porque – e de novo busco socorro no Flávio Gubermann, em texto publicado no blog Corneta do RW - tenho notícia de que, aqui pelos pampas, um promotor e um juiz andam misturando os dois corpos do rei. O promotor de justiça, ao que consta assumido torcedor do Internacional, deu uma de “internacionalista” (vejam a ambiguidade do termo), só que na área do Direito Internacional, porque misturou os conceitos dogmáticos, fazendo com que uma decisão no Juizado de Porto Alegre valesse nos países árabes e no Uruguai. Sim, extraterritorialidade na veia...

Quer dizer que uma decisão aqui dos Pampas proibindo usar o bumbo ou comportamentos quetais em jogos do Grêmio vale para além fronteira e em competições que não têm relação entre si? Hum, hum. Seria um novo conceito de extraterritorialidade?

Ao que entendi, o promotor de justiça quer punir a Torcida Geral do Grêmio porque usou um bumbo no Uruguai? Ou em Abu Dhabi? O promotor justifica-se com o exemplo da Lei Maria da Penha. Só que nem nesse exemplo a coisa funcionaria.

Que tal uma decisão baseada na Lei Maria da Penha a ser executada em Abu Dhabi? Assim, sem mandado, sem carta rogatória? Que conceito novo de extraterritorialidade (que é para cometimento de crimes e não para o descumprimento de decisões proferidas no Brasil) é esse?

E o juiz – também conhecido por sua inclinação clubística – concede entrevista (meio-que...). Promotor e juiz confundem seus dois corpos! E a IVI se cala!

Fico pensando: se eu tenho carteira de motorista no Brasil e no Uruguai e a daqui for suspensa, não posso usar a minha do Uruguai? O que uma coisa tem a ver com a outra? Já com relação ao direito dos Emirados Árabes, a coisa é mais séria ainda. E se um ato for proibido no Brasil e liberado em Abu Dhabi? E o que dizer da extraterritorialidade (que é específica para o Direito Penal) de uma decisão de um juizado especial brasileiro, tratando de Direito Administrativo sancionador? A torcida do Grêmio praticou algum crime nos Emirados ou no Uruguai?

Eis um dos problemas sérios do Direito de Pindorama. A mistura das opiniões pessoais com o que o Direito diz. Ou seja, a prevalecer a tese, sempre depende(re)mos das idiossincrasias dos promotores e juízes? Como assim? O Direito vale menos que o desejo pessoal do Ministério Público ou do Judiciário? Se sim, paremos o jogo. Porque se isso vale para o árbitro, esta(re)mos lascados. Nem o árbitro de linha nos salva(rá).

And I rest my case, your Magisty!  E quem escreveu esta coluna, creiam - e durante 28 anos de carreira de Ministério Público nunca confundiu seus dois corpos - , não foi o meu corpo pessoal; não foi o gremista; quem escreveu este texto foi o professor e acadêmico!  É o que poderia ser chamado, parafraseando o famoso livro de E. Kantorowicz, de The Lenio’s Two Bodies!

Ou seja, o quero dizer é que não preciso ser gremista para reconhecer a quebra no “sistema”. Ah! E, para variar, a IVI se calou sobre a mistura dos dois corpos e sobre a ilegalidade da extraterritorialidade. Que surpresa!...

Post scriptum – Pelo jeito, a IVI está praticando extraterritorialidade! E está chegando no Ministério Público e no Judiciário.

............................................................................................................................................................................................

- Lênio Streck escreve Jus Azul às terças-feiras. Contato: lenios@globomail.com

- Roberto Siegmann escreve Jus Vermelha às sextas-feiras. Contato: roberto@SiegmannAdvogados.com.br


Comentários

Flavio Da Rosa - Aposentado 06.03.18 | 10:03:23

Muito bom, parabéns ao articulista. Parabéns ao Espaço Vital por nos dar conhecimento dessas coisas.

Deny Francisco De Camargo - Advogado 06.03.18 | 07:41:25

Depois da IVI agora é a vez da JI (juristas isentos). A JI é poderosa. Permitiu que fossem disputados jogos de futebol em um estádio em obras, com abundante material que poderia ser usado para fins bélicos, enquanto para liberar a Arena queriam até a árvore genealogica dos fundadores do Grêmio. Se preciso for, mudarão os 10 mandamentos para prejudicar o Grêmio.

Sergio Sant⠹anna Pegoraro - Engenheiro 05.03.18 | 23:55:58
Vai ver que que eles, como bons meninos metropolitanos, acham que a “mui leal e valorosa” é a Capital do Mundo!
Sérgio Viana Severo - Professor De Direito 05.03.18 | 19:34:18

Bingo: És kelseniano com Hayek. Binguíssimo: são kantianos, na versão hodierna. P.S.: "Majesty" please... Mas a tua visão crescentemente dogmática revela os "two bodies" com perfeição (comprarei o livro e lerei). No entanto, há mais no que dizes do que a brincadeira acima, é como o gol do Jael Portaluppi, não era para ser, mas foi, com direito a comemoração no alambrado, pois os alambrados imaginários do direito da chamada modernidade estão sendo desafiados...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Não há DU (vi) DA sobre jogadores ruins!

“O Grêmio vive uma espécie de império da opinião dos jogadores. Parece-me que eles instituíram uma “proto-ditadura”. Quem manda, afinal, no clube?”

O ´chapabranquismo´ pode ser fatal!

“Torcer é também exercer uma saudável crítica. Um clube não é como o regime da Coreia do Norte. Tem de ter racionalidade crítica. E coragem para criticar termos Douglas no banco, num jogo decisivo pela Libertadores, e não relacionar Matheus Henrique e Jean Pierre”.

Operação ´Apito Amigo´

“Cuidem-se vovô Ceará e Lisca! ´Eles´ vêm aí! (...) Dizem as redes sociais que Noveletto deu a ordem: ´Na dúvida, e mesmo sem ela, pênalti para o Inter´”.