Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_11.jpg

Um nome gaúcho fora da política partidária habitual



Arte de Camila Adamoli sobre foto divulgação CF-OAB

Imagem da Matéria

Senador Lamachia ?

Habitualmente pouco ativa, a “rádio-corredor” do Tribunal Regional Eleitoral do RS saiu da rotina, na quarta-feira (7), ao difundir um potim que causou frisson nos meios advocatícios e políticos: “Claudio Lamachia será candidato, nas eleições de outubro, ao Senado, pelo Podemos”.

“Nada disso”- respondeu o presidente nacional da OAB, via WhatsApp, a uma mensagem enviada pelo Espaço Vital. Na frase seguinte, Lamachia apenas admitiu “estar recebendo convites de muitos partidos”. E economizou palavras.

Há um leque de três vértices. O possível candidato Lamachia é próximo dos atuais senadores gaúchos Lasier Martins (PDT) e Ana Amélia (PP), e do ex-governador e ex-senador Pedro Simon (PMDB).

Detalhe: em 2014 Lasier chegou a convidar Lamachia para ser seu suplente. Mas logo desistiu, ao perceber que o preparo intelectual, a capacidade política e a reserva moral do líder da Ordem “são muito superiores e qualificados para se restringir a ser meu substituto parlamentar” – como o próprio pedetista admitiu, quatro anos atrás, ao colunista.

Fazendo as contas

O número total de senadores no Brasil é 81. Os 26 Estados, mais o Distrito Federal, elegem três senadores cada. O tempo de mandato de um senador é de 8 anos, porém as eleições para o cargo são de quatro em quatro anos; assim, alternadamente, renovam-se as cadeiras por um e dois terços.

Nas últimas eleições para o cargo em 2014, foram eleitos um terço de novos senadores. Estes – como exemplificativamente Lasier Martins (PDT) - ficarão no cargo até 2022. Nas eleições de 2018, serão eleitos dois terços; ou 54 novos senadores, que  ficarão  no cargo até 2026.

Como serão 54 cadeiras livres, cada Estado (mais o Distrito Federal) elegerá dois senadores. E cada vaga atrela dois suplentes.

Ana Amélia Lemos (PP, 72 de idade) e Paulo Paim (PT, 68 anos) finalizam seus respectivos primeiros mandatos de senadores, mas provavelmente buscarão a reeleição. O Podemos é o que mais assedia Claudio Lamachia. O partido tem o senador paranaense Álvaro Dias (terceiro mandato consecutivo) e o carioca Romário como seus expoentes.

Fundado em 1995 como Partido Trabalhista Nacional, em 2016 mudou de nome. E explicou que a inspiração para a denominação atual vem do slogan da primeira campanha de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos, "Sim, nós podemos" (´Yes, we can´).}

A propósito

A “rádio-corredor” da OAB-RS admitiu nesta quinta-feira (8) que “Lamachia pode, mesmo, sair candidato”.

Mas a crença na entidade é que “ele não vá concorrer pelo Podemos, porque este ainda é um partido pequeno no Rio Grande do Sul”.

Ou seja: a agremiação não seria uma garantidora de votos no RS.

Horizonte favorável

A propósito de política advocatícia, o grupo OAB Mais – que assumiu a OAB-RS em 1º de janeiro de 2007 – já está articulado para as eleições da segunda quinzena de novembro deste ano.

Ricardo Breier – cujo grupo completa, em 31 de dezembro, 12 anos de saneadoras gestões na Ordem gaúcha - será o natural candidato à reeleição. Falta encontrar a (difícil) unanimidade à vice-presidência para o triênio 2019/2021.

Enquanto a eventual oposição, tímida, ainda não se mexeu - o atual presidente está à frente com milhares de quilômetros de estrada política pavimentada.

Sem buracos.


Comentários

José Antonio Ariotti - Advogado 09.03.18 | 09:27:42

Mais um a usar a entidade para a promoção pessoal. Mas se concorrer, deverá ir por um partido de extrema esquerda, atendendo o manejamento que fez na Ordem.

Bernadete Kurtz - Advogada 08.03.18 | 22:17:04

Isso já era esperado e até previamente anunciado. Se candidato, estará se servindo da OAB, para seus projetos pessoais. A Ordem nunca esteve tão distante da categoria como agora.

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.

A última de Brasília: Temer embaixador na Transilvânia

   A figura do vampiro é bastante presente no imaginário popular e no cinema. O “morto-vivo” está fartamente inserido na cultura política.

  Trocando seis por meia dúzia: depois do “auxílio-moradia”, a gestação do “acréscimo por tempo de serviço”.

  Dicionários on line incorporam a expressão “penduricalho”: equivale a balangandan.

   A diferença entre o salário mínimo e o rendimento médio do trabalhador brasileiro está cada vez MENOR. Mas o aumento para a magistratura está a caminho.