Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de junho de 2019.

O caixão das gavetas secretas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Mauricio Antonacci Krieger, advogado (OAB-RS nº 73.357)

No leito da morte, Wilsom chama um de seus filhos a quem entrega uma carta. Nela pede que seu desejo, ali escrito, seja inteiramente atendido. Poucos minutos depois, o idoso morre. O filho abre o envelope e percebe -  qual testamento - o desejo do pai em dividir a herança e... um pedido inusitado: ser sepultado em um caixão, com duas escamoteadas gavetas, que já mandara fazer e deixara pronto.

No testamento particular, breves instruções com um pequeno mapa sinalizando o local onde estavam escondidos cinco mil dólares; estes deveriam ser colocados dentro das duas gavetas do caixão excêntrico e fechadas com cadeados. Destes, as chaves deveriam ser jogadas no rio que margeia a cidade. 

O documento insiste para que o desejo de última vontade seja cumprido, pois Wilsom era devedor dessa quantia para um irmão que falecera em 2010. No arremate, uma frase: “Quando eu chegar ´lá em cima´ quero acertar as contas com o mano, fazendo as pazes, assim vivendo nós em harmonia eterna”.

O filho segue as instruções do pai e o enterro acontece como o planejado: o provecto senhor é sepultado com os dólares dentro das duas gavetas do caixão.  Uma semana depois, outro filho de Wilsom entra com ação judicial, requerendo a exumação para a retirada de todo o dinheiro, arrolando-o no inventário, para futura partilha.

Há necessidade de urgência na prestação jurisdicional, a fim de evitar o furto, visto que muita gente sabe da história” – arremata a petição.

O filho que fizera o sepultamento do pai, contesta. Alega que a última vontade do genitor vale mais do que a quantia enterrada. O caso, ainda sem definição judicial, está sendo analisado por uma Vara de Família gaúcha. Muitos duvidam que o dinheiro ainda esteja lá.  

Na “rádio-corredor ”forense, palpiteiros tentam adivinhar a futura decisão judicial - que poderá abrir precedentes para que muitos outros “pão-duros” também enterrem joias e pertences.

Por enquanto, o administrador do cemitério exerce com lealdade suas funções de “fiel depositário do esquife e todo o seu conteúdo”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

É sexta-feira no fórum!

 

É sexta-feira no fórum!

A paciência de uma advogada, diante do balcão de um cartório, na busca de um alvará pedido há 45 dias, e cujo processo teimosamente ficava imóvel numa das repetitivas pilhas. Mas – “obrigado Deus”, era sexta-feira, dia de o escrivão fazer o seu happy hour, porque ninguém é de ferro...

Charge de Gerson Kauer

O cheirinho da garagem...

 

O cheirinho da garagem...

Após estacionar seu automóvel, mais uma vez, defronte à garagem de uma residência, o advogado e professor de Direito encontra, no para-brisas, um bilhete ameaçador:  “Com todo o respeito, é a quarta vez que você põe o carro na minha garagem. Se você é homem, aperta a campainha que eu vou falar com você, seu merda”.

Charge de Gerson Kauer

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

 

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

Era o primeiro dia de audiências do novel juiz na comarca. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. A severa escrivã também fazia a sua parte. Os advogados locais reagiram.

Charge de Gerson Kauer

Aparências enganam!

 

Aparências enganam!

Porta da frente, ou porta dos fundos? Dois dias depois das bodas, a surpresa: na comarca de entrância intermediária, Carlyson ajuizou ação de anulação do casamento contra a jovem esposa Jenifer. Ninguém imaginava o motivo. O experiente juiz logo entendeu tratar-se de “erro essencial quanto à pessoa”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Gerson Kauer - Divulgação

A loteria da cantada

 

A loteria da cantada

Na casa lotérica, a novel operadora de caixa, percebeu já nos primeiros dias de trabalho, que um dos donos do estabelecimento, insinuava-se com furtivos olhares. Sem demora, vieram furtivos toques de mão. E tudo desbordou em uma ação por dano moral decorrente de “intolerável assédio sexual com requintes de tentativa de indução à prostituição”.  

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.