Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 07 de dezembro de 2018.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O banho de realidade que determinou a queda de prestígio do RS



Esporte Band - Reprodução

Imagem da Matéria

1. GRE-NAL é GRE-NAL

Nós gaúchos temos o hábito de “engrandecer” o que é nosso. Aqui, tudo é melhor e como não bastasse, já que o hino fala “em toda terra”, o melhor é em relação ao mundo.

A nossa história recente tem demonstrado que não é bem assim. Várias outras unidades da federação, como Santa Catarina por exemplo, assumem a dianteira no desenvolvimento econômico, na educação, na escolaridade, na saúde e na segurança. 

O banho de realidade que determinou a nossa queda de prestígio não retirou por completo os nossos traços de arrogância. Continuamos garganteando, intitulando-nos como os mais honestos, os mais trabalhadores, os mais sérios e assim por diante.

Temos o melhor pôr do sol do mundo! É bem verdade que jamais alguém comparou o nosso com qualquer outro nesse vasto mundão de lugares maravilhosos.

Somos a capital mais culta do país! É bem verdade que os teatros e as casas de espetáculos de Porto Alegre fecharam as suas portas. Que os grupos de teatro e de cinema encerraram as suas atividades e a/o Pablo Vittar, bem como outras “expressões artísticas” do memento, têm aqui o mesmo sucesso que no restante do país. 

Bem, mas em termos de gabolice, escutei repetirem no domingo passado que o Gre-Nal é o maior clássico do mundo!

Diante da total falta de fundamento para a assertiva gauchesca, a única explicação possível é a de que ele nos diz respeito e os demais clássicos do futebol mundial, não. Uma lógica egoísta, mas que nos permite bradar uma falsa verdade.

Como somos todos gaúchos, como somos nós que vamos ao estádio, com nós é que sofremos com a ansiedade provocada pela disputa ouvindo as locuções e comentários dos jornalistas esportivos locais, não custa nada acreditar nisso.

Deixemos assim, considerando mais uma mentirinha que aplicamos em toda terra.

Mas, o último “maior confronto desportivo do mundo” foi para lá de morno e inexpressivo. Tivemos um primeiro tempo em que o nosso adversário jogou mais e, no segundo, o nosso time foi superior. Assim, afastado o resultado, consideradas as duas partes do tempo, as equipes foram rigorosamente iguais.

Não houve superioridade no maior clássico do universo. Não percebi obstinação por parte de atletas, treinador e direção correspondente à grandeza do confronto.

Mas há um detalhe no Gre-Nal que revela muito mais a sua natureza de disputa aguerrida do que o futebol jogado. No início da partida, quando o árbitro promovia o sorteio do campo e do pontapé inicial, o Dale e o capitão do adversário, travaram um embate caloroso. Falas ríspidas, dedos na cara do outro, etc.

O que teria havido para tanto?

Segundo informado, o árbitro teria comunicado aos dois que haveria conferência das imagens pelo árbitro de vídeo. Diante disso, o capitão do adversário teria dito: “Que bom, assim o Dale não apitará o jogo!

O nosso Gringo, reagiu com toda a sua irresignação, dando o tom inicial da partida que começou minutos depois. Mas ficou nisso!

No campo, aquilo que faz a diferença não foi visto. A irresignação não foi aproveitada como chama no pavio para fazer explodir em campo a vontade de vencer.

Foi uma pena, pois em matérias de confronto o que vale é o resultado que vai para a estatística. Assim, o que constará é que fomos derrotados em nossa casa pelo tradicional adversário.

Haverá tempo para escrever outra página; há mais um Gre-Nal no próximo domingo. Que entre em campo a garra e o desejo de não perder nem lateral.

2. ADEUS XUXU

Na quarta-feira foi noticiado o falecimento do Xuxu, torcedor símbolo do Internacional. Já fazia algum tempo que ele estava doente. Na última vez que nos encontramos recebi dele um abraço e como sempre, um beijo no rosto.

Contou-me das dificuldades que estava passando e do sofrimento com a doença. Apesar de desfigurado e magro, falou do Internacional.

............................................................................................................................................................................................

- Roberto Siegmann escreve Jus Vermelha às sextas-feiras. Contato: roberto@SiegmannAdvogados.com.br

- Lênio Streck escreve Jus Azul às terças-feiras. Contato: lenios@globomail.com


Comentários

Ressoli Luís Baldo Cunha - Advogado 16.03.18 | 10:35:22

Discordo do "escritor torcedor colorado"... As duas equipes não foram iguais no clássico em hipótese alguma... demonstra total desconhecimento da técnica futebolística, o que aliás é normal para um colorado. Evidentemente, que a equipe que está perdendo por 2x0 no primeiro tempo, tem que tomar as rédeas do jogo e tentar reagir no segundo tempo... Ao Grêmio, apenas cabia se defender e contra-atacar...afinal, por que se desgastar se estava em vantagem? Deu um banho de bola no início...

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Por entre os dedos da mão

“Chega de melo, chega de melado e chega de melaço! Lamentavelmente encerraremos mais um período de gestão no Sport Club Internacional sem a conquista de título. Deixamos passar, em 2017, o campeonato da série B. E em 2018 um Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil”.

O coronelismo no Inter já foi abandonado, ainda bem!

“A análise dos indivíduos, graças às redes sociais, flagrou a manipulação de muitas estrelas do jornalismo. Convido para que acessem os espaços virtuais das chapas, comparando as propostas”.

Terá pátio no Internacional !

Marcelo Medeiros (E) e Luciano Davi (D) serão os dois candidatos. “Um clube da grandeza do Inter só é gigante em razão da participação e interesse dos sócios, que são os verdadeiros donos. Convido os colorados a lerem os projetos de gestão, optando por aquele que represente a necessária confiança e eficiência”.

O Inter dá cartão vermelho a Vitório Piffero

O ex-presidente compareceu e utilizou o tempo de 30 minutos destinado à defesa. Em síntese e seguindo a moda lançada na vida pública, resumiu o seu depoimento em “NÃO SABIA”...

Entenda o que será julgado no Conselho do Inter

“O caso Piffero, no dia 23 de outubro. Temo por nulidades graves no processamento e que levariam a uma eventual intervenção judicial declaratória de invalidação do processamento por desrespeito aos mais basilares princípios processuais. Se isso ocorrer, estaremos diante de uma grandiosa pizza”.