Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de junho de 2019.

Mulher juíza, não!



Charge Gerson kauer

Imagem da Matéria

Aos 25 de idade, a jovem bacharel em Direito é aprovada em concurso para ingresso na magistratura gaúcha e é designada para uma vara criminal de comarca gaúcha, onde o machismo ainda tem alguns absurdos rompantes.

No início de uma tarde forense - em que estão pautadas 20 audiências para o oferecimento de suspensão condicional dos processos - adentra à sala um homem trintão. Ele está pilchado, botas, bombacha, lenço vermelho, bigode grande, “todo a gaúcho”. Carrega uma sacola de viagem.

A magistrada olha a denúncia: “Crime ambiental, consistente em maus-tratos contra o próprio cavalo de sua propriedade” – e começa a explicar sobre o benefício e suas condições. E esclarece, claro, que não era obrigatória a aceitação.

A juíza percebe, no entanto, que o homem não dá a mínima ao que ela lhe fala. Entrementes, ele procura alguma coisa dentro da sacola. Dela, de repente, retira um laço de couro e o lança em cima da mesa principal.

A magistrada assusta-se com o inesperado e com o barulho da argola batendo na madeira, e, nessa cena tragicômica, ainda tem que escutar – do homem que se ergue da cadeira – uma frase discriminatória: “Eu não aceito uma mulher juíza”.

Estão na sala de audiências, a juíza, a promotora, a defensora pública e a escrevente. Quatro mulheres mudas diante da postura ameaçadora de um homem só.

Há um hiato de cinco ou dez segundos, a magistrada reage com um olhar fulminante, eleva o tom de voz e adverte: ”Ou o senhor aceita uma juíza mulher, ou eu vou lhe prender por desacato à autoridade”.

O homem senta novamente, ?ca alguns instantes em silêncio e responde – meio conformado que – “então eu aceito a juíza mulher”.

Afinal, acordada a proposta de suspensão condicional do processo, o termo é assinado, a audiência é encerrada e o valentão sai. E só então aparece o guarda forense para informar: “Doutora, passei para lhe dizer que esse cara aí não bate muito bem”.

A juíza já aliviada agradece a informação e encerra o caso: “Bem que o senhor poderia ter me dito isso antes”...




A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

É sexta-feira no fórum!

 

É sexta-feira no fórum!

A paciência de uma advogada, diante do balcão de um cartório, na busca de um alvará pedido há 45 dias, e cujo processo teimosamente ficava imóvel numa das repetitivas pilhas. Mas – “obrigado Deus”, era sexta-feira, dia de o escrivão fazer o seu happy hour, porque ninguém é de ferro...

Charge de Gerson Kauer

O cheirinho da garagem...

 

O cheirinho da garagem...

Após estacionar seu automóvel, mais uma vez, defronte à garagem de uma residência, o advogado e professor de Direito encontra, no para-brisas, um bilhete ameaçador:  “Com todo o respeito, é a quarta vez que você põe o carro na minha garagem. Se você é homem, aperta a campainha que eu vou falar com você, seu merda”.

Charge de Gerson Kauer

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

 

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

Era o primeiro dia de audiências do novel juiz na comarca. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. A severa escrivã também fazia a sua parte. Os advogados locais reagiram.

Charge de Gerson Kauer

Aparências enganam!

 

Aparências enganam!

Porta da frente, ou porta dos fundos? Dois dias depois das bodas, a surpresa: na comarca de entrância intermediária, Carlyson ajuizou ação de anulação do casamento contra a jovem esposa Jenifer. Ninguém imaginava o motivo. O experiente juiz logo entendeu tratar-se de “erro essencial quanto à pessoa”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Gerson Kauer - Divulgação

A loteria da cantada

 

A loteria da cantada

Na casa lotérica, a novel operadora de caixa, percebeu já nos primeiros dias de trabalho, que um dos donos do estabelecimento, insinuava-se com furtivos olhares. Sem demora, vieram furtivos toques de mão. E tudo desbordou em uma ação por dano moral decorrente de “intolerável assédio sexual com requintes de tentativa de indução à prostituição”.  

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.