Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.

´Paga o churrasco ou vai preso!´



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Ser missioneiro no Rio Grande do Sul é mais ou menos como ser gaúcho no Brasil: sirvam nossas façanhas de modelo. E este fato se desenrolou em uma importante cidade das Missões, aliás, a mais importante dentro deste que poderemos chamar de um Estado dentro do Rio Grande.

Dois torcedores fanáticos por Grêmio e Internacional eram, também, cônsules naquela cidade. Eram os melhores amigos um do outro, apesar desta abissal diferença. Viviam às turras quando se tratava de futebol e sempre apostavam isto ou aquilo nos clássicos Gre-Nais.

Na década de 1970, depois dos 12 títulos do Grêmio em 13 anos, começou o domínio vermelho em títulos, inclusive brasileiros, até que em 1977 Hélio Dourado e Telê Santana formaram um time gremista que viria a ser campeão gaúcho e até beliscou o nacional daquele ano.

A fórmula do campeonato gaúcho era complicada, mas num dos Gre-Nais decisivos bastava um empate para o Inter entrar com grande vantagem para os jogos finais. Foi o famoso clássico apitado pelo melhor árbitro da época, Agomar Martins, que, num determinado momento – bem no finzinho – marcou uma falta contra o Grêmio e todos pensavam que seria dentro na área.

Foi aí, inclusive, que o famoso árbitro levou um peitaço do grande capitão tricolor, Oberdan, mas os personagens juram que foi um choque natural.

Sem árbitro de vídeo, sem câmeras por todo lado e sem comunicação por rádio, a dúvida permaneceu, mas Agomar marcou fora da área, atendendo uma mímica feita pelo bandeirinha dizendo que não fora dentro da área. Grêmio vencedor do clássico por 2 a 1 (depois viria ser campeão gaúcho de 1977).

Os dois ferrenhos adversários e grandes amigos haviam apostado um churrasco para tantas e tantas pessoas, todos também muito amigos. No entanto, diante do impasse do jogo – pênalti ou não – o perdedor colorado sentenciou: “Não pago, fomos roubados”.

Entre os convidados estava um dos juízes de direito da comarca que, mesmo sendo torcedor do Inter, resolveu tomar severa providência e expediu mandado judicial para que o oficial de justiça intimasse o cônsul colorado a comparecer na sala de audiências às tais horas do dia “x”, sem especificar porque o convocara, mas, para se prevenir, deveria estar acompanhado de advogado.

Compareceu o indigitado perdedor e, depois de um chá de banco interminável, sentou-se no banco dos réus, com a presença do Ministério Público e até de um atento e silencioso brigadiano encarregado da segurança.

Foi severamente comunicado pelo juiz que aquela audiência estava tratando de um caso muito grave. Após as advertências de lei e de praxe, com o réu lívido de medo, o magistrado, circunspecto, concluiu: “O senhor está em dívida com seu melhor amigo e se não pagar esta conta será execrado por seus amigos e pela comunidade jurídica em geral”.

E bateu o martelo, encerrando a audiência, para alivio do devedor. Todos os amigos que estavam escondidos numa outra dependência do fórum ingressaram na sala de audiências e, às gargalhadas, marcaram o churrasco para o dia posterior.

O juiz, naturalmente, estava lá.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

 

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

Era o primeiro dia de audiências do novel juiz na comarca. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. A severa escrivã também fazia a sua parte. Os advogados locais reagiram.

Charge de Gerson Kauer

Aparências enganam!

 

Aparências enganam!

Porta da frente, ou porta dos fundos? Dois dias depois das bodas, a surpresa: na comarca de entrância intermediária, Carlyson ajuizou ação de anulação do casamento contra a jovem esposa Jenifer. Ninguém imaginava o motivo. O experiente juiz logo entendeu tratar-se de “erro essencial quanto à pessoa”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Gerson Kauer - Divulgação

A loteria da cantada

 

A loteria da cantada

Na casa lotérica, a novel operadora de caixa, percebeu já nos primeiros dias de trabalho, que um dos donos do estabelecimento, insinuava-se com furtivos olhares. Sem demora, vieram furtivos toques de mão. E tudo desbordou em uma ação por dano moral decorrente de “intolerável assédio sexual com requintes de tentativa de indução à prostituição”.  

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos.