Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.

O juiz dono da bola



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke (advogado – OAB/RS nº 7.968)

O magistrado era ruim de bola; o promotor e o prefeito, muito bons. O promotor ficara famoso porque - antes de fazer concurso - jogara num time de futsal e tinha um potente chute de canhota, que os saudosistas comparavam com os de Rivelino

O prefeito quase fora jogador de futebol profissional, inclusive pretendido pelo Inter, mas ficara na cidade porque já era professor no ginásio local – e viver do esporte não garantia futuro.

A reunião futebolística acontecia às terças-feiras, depois das seis da tarde e agrupava também serventuários do fórum, advogados, políticos e figuras carimbadas dali. Num início de noite quase hibernal, já prevendo os poderosos arremates do “parquet”, o juiz determinara, antes de começar a brincadeira: “Não vale bomba!”.

Jogo tranquilo, até que a bola ficou à feição para o promotor. Veio rolando na direção de seu pé esquerdo, pronta para um pontapé enérgico, implorando um canhotaço mortal. E não é que...

...Sim, quem ficou na frente dele foi o juiz, conhecido por atitudes heterodoxas nos joguinhos das terças – mas respeitado porque, afinal, era o honorável magistrado da comarca de entrância intermediária.

Voltando ao já preparado chute sinistro: o representante do Ministério Público não titubeou e o canudo partiu fortíssimo, com endereço certo. Mas, entre o promotor e a goleira, estava o magistrado, que foi duramente atingido em seus países baixos.

Logo atendido, feitas as flexões de praxe para as ocasiões doloridas, o juiz recobrou-se, fitou o promotor com olhar de poucos amigos, ergueu a bola como se estivesse empunhando um troféu, não disse uma palavra e foi saindo da quadra.

Político jeitoso, o prefeito interveio: “Excelência, o senhor vai embora? Lembro apenas que a bola não é sua”.

O magistrado, então, virou-se para os atônitos integrantes da cena e vociferou com arrogância: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.

A comarca nunca mais teve jogo às terças-feiras.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.

Gerson Kauer

Nádegas generosas

 

Nádegas generosas

A condenação da editora de uma revista erótica, por causa da legenda ao lado da foto mostrando quadris e rosto de veranista praiana: “Meus olhos são pra ver/ Meu nariz é pra cheirar/ Minha boca é pra comer/ Meu ouvido é pra escutar / Mas também tenho algo pra dar”.

Gerson Kauer

Mulher em caução!

 

Mulher em caução!

Astucioso, o homem sai do motel sem pagar a conta. Surge depois a inusitada ação contra uma mulher, 30 de idade, tentando “receber o valor de uma diária, jantar e bebidas e, cumulativamente, uma reparação financeira, mesmo que pequena, para punir a ré pela trapaça civil cometida”

Gerson Kauer

De grosso calibre

 

De grosso calibre

No prédio com vista para o Guaíba, em que atuam lidadores do direito, chega uma caixa com “uma coisa estranha” endereçada a uma das doutoras da casa. Seria um “bilau” de brinquedo? O decano deu a solução na reunião em que participaram as cabeças mais lúcidas da Casa: “Temos que rever nossos conceitos”.

Charge de Gerson Kauer

O namorado do juiz

 

O namorado do juiz

Na comarca de entrância intermediária, um dos juízes é gay. Seu então parceiro é um técnico em informática de uma grande empresa agro comercial. Afinados, os dois homossexuais têm apenas uma única grande diferença: a questão salarial. De repente, há um tombo financeiro.