Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.

O surpreendente maranhão



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O fato se passa numa audiência criminal de conciliação. O casal havia se separado. Depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga.

A juíza, conciliadora de reconhecido talento, expõe a vantagem da transação e do consequente arquivamento. A mulher concorda em nome da paz, mas exige que o marido lhe entregue “os meus bens pessoais que ficaram na casa dele”.

O marido, previdente, diz que “não há problemas, inclusive estou com os tais bens em meu carro”. Prontifica-se a buscá-los.

Suspensa a audiência por poucos minutos, o homem vai até seu veículo e volta com uma caixa. Coloca-a no chão e, de seu interior, começa a retirar peças e objetos, colocando-os sobre a mesa. A primeira é uma calcinha “sexy”.

- Lembra-se, foi comprada em Paris? – ele provoca.

A mulher dá de ombros. A segunda peça é o sutiã:

- Sem o porta-seios, a calcinha não teria valor, pegue e faça bom uso – diz o homem.

A mulher continua calada, com a cara amarrada. A terceira peça é... – imagine o leitor.

Você não iria poder viver sem ele – o homem então coloca em cima da mesa um sugestivo artefato erótico de silicone.

Nesse momento, a mulher explode:

Guarde isso para você. Isso não é meu... Que absurdo!

Seguem-se palavras de baixo calão, de parte a parte.

É seu!

Não é meu!

É seu, sim senhora. Você até o apelidou de maranhão...

- Mentiroso, safadão, tu é que usavas ele...

A juíza, ruborizada, intervém:

Tirem o maranhão daqui, ou chamo a polícia.

Ninguém toma a iniciativa e, assim, o maranhão jaz sobre a mesa. A juíza reitera: vai chamar a polícia. É aí que o advogado do marido diz que resolveria o problema: pega o maranhão e, conciliador, o enfia embaixo do próprio paletó.

Assinado o acordo, todos deixam a sala. O advogado do marido imediatamente atira o maranhão na lata de lixo do andar.

Com a azáfama, muitas pessoas vão chegando para saciar a curiosidade. Então chega uma servente:

O que é que está acontecendo?

Detalhadamente informada, a serviçal se aproxima, pega o maranhão, enrola-o em um jornal e o leva embora.

A partir da semana seguinte, conta a “rádio-corredor” forense que a servente chega sempre ao trabalho com um sorriso nos lábios, exalando felicidade.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Resumido a partir de um texto do desembargador Gilberto Ferreira (TJ-PR), publicado em “A Justiça Além dos Autos”, editado pelo CNJ (2016).


Comentários

Izaias Tavares Silvi - Estágiario 18.09.18 | 17:14:42

Kkkkkkkk , essa foi demais!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.

Gerson Kauer

Perfume de segunda categoria

 

Perfume de segunda categoria

Após presidir a audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, o elegante juiz é surpreendido com a pergunta desferida pela vítima: “Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

Gerson Kauer

Casa de marimbondos

 

Casa de marimbondos

Após a vã tentativa de avaliar uma velha colheitadeira penhorada, o oficial de justiça certifica em minúcias: “Não pude me aproximar da máquina, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.