Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_11.jpg

Publicidade também dos processos judiciais criminais



Chargista Jeff

Imagem da Matéria

 SEI o quê?

O promotor de justiça gaúcho Gustavo Ronchetti - nessa condição profissional e também como cidadão - enviou pedido de providências ao TJRS “a fim de que seja implementada, com urgência, a pesquisa por nome nos processos criminais em tramitação na Justiça Estadual, pois tal vedação contraria regramento do CNJ”.

Comparativamente, salientou que tal consulta é disponibilizada pelo STF, STJ e outros tribunais do país (ex., TJ-SC).

Ronchetti afirma que tal situação mantida pelo tribunal gaúcho “atenta contra os princípios da publicidade dos processos judiciais criminais e retira possibilidade de o cidadão informar-se acerca do trâmite destas ações”.

Com o registro interno de “Processo SEI nº 8.2018.0010/003312-7”, o expediente – atribuído ao juiz-corregedor André Vorraber Costa – tramita na Corregedoria-Geral da Justiça desde o final de julho.

A pertinente solicitação do promotor Ronchetti parece estar tramitando em endereço errado. Como o eventual deferimento do pedido terá reflexos também, é óbvio, nas informações processuais de segundo grau – é mandamental que o expediente devesse tramitar no Órgão Especial do TJRS.

Será que não se estão sendo perdidos dias e trabalhos preciosos?

 Misturou?

O corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, determinou a abertura de expediente interno contra o

desembargador Luiz Alberto de Vargas, do TRT da 4ª Região (RS). O magistrado teria “postado mensagens nas redes sociais em favor de um candidato à Presidência da República e criticado seu adversário”.

Na abertura do procedimento vem afirmada a eventual “configuração de violação aos deveres profissionais dos magistrados, conforme disposto no artigo 95, parágrafo único, inciso III, da Constituição Federal; no artigo 36, III, da LOMAN; no Provimento nº 71/2018 da Corregedoria Nacional de Justiça e também na nota de recomendação expedida em 5 de outubro pelo corregedor nacional de Justiça”.

O magistrado foi notificado ontem (18) e tem 15 dias para esclarecer. Consultado pelo Espaço Vital sobre possível contraponto, Vargas silenciou.

Ficou “jornalisticamente revel” – como diria determinada “rádio-corredor” da Avenida Borges de Medeiros.

 Carnaval político

A efervescência política poderá ecoar, em fevereiro de 2019, no mais famoso carnaval do mundo. O enredo em preparação pela Escola Tuiuti, no Rio, é sobre um “nordestino, barbudo, baixinho, de origem pobre, amado pelos humildes e por intelectuais, que incomodou a elite e foi condenado a virar símbolo da identidade de um povo”.

O resumo está exatamente assim na sinopse do carnavalesco Jack Vasconcellos.

Seria sobre o Lula – imagina-se. Mas há controvérsias. A direção da escola diz que poderá ser também “sobre o bode Ioiô, xodó dos cearenses, eleito vereador em Fortaleza em 1922”.

Ah, lembram daquele ditado: “Me enganem, que eu gosto” ?...

Em tempo: em fevereiro passado, a Tuiuti foi sensação e vice-campeã ao levar para o sambódromo um Temer-vampiro...

 Nunca antes...

Pela primeira vez na História, o Brasil melhorou no ranking da corrupção da Transparência Internacional: passou da categoria dos que “fazem pouco ou nenhum combate à corrupção” para a dos que “fazem esforço moderado para combatê-la”.

E ainda tem gente, partidos e candidatos (a maioria já defenestrada pelas urnas no dia 7), que preferem combater a Lava-Jato.


Comentários

Carlos Henrique Rey - Advogado 19.10.18 | 10:57:22
Sobre a chamada "misturou", de fato misturou o magistrado independentemente a quem porventura apoie! O fato é que juiz é juiz e nessa condição deve ficar, sob pena de "misturar". Aliás, nada mais deplorável que um juiz misturado! A função exige comedimento. Em outra situação, de duas uma: deixar à função ou exercer à representação sindical e política da categoria. Pelo cumprimento da LOMAN; pela adequação da lei orgânica aos novos tempos. Eu confio no CNJ!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.