Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

O salvamento da justiça



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Na comarca com duas varas judiciais, os dois juízes locais são – independentemente do corporativismo – bem amigos. Nos domingos de sol o programa habitual é ambos irem – com suas respectivas esposas – banhar-se na praia do rio que margeia a cidade.

As preliminares são caipirinha, tapioca, cerveja gelada, camarão ao alho e óleo, água de coco, e naturalmente o sol. Na conjunção, o tempo passa e um dos doutos fica ébrio.

O colega sóbrio percebe e adverte o amigo para que se cuide, no momento em que ele avança para refrescar-se.

Alheio, o juiz embriagado joga-se na água. E com braçadas desconcertadas, vai nadando até alcançar o meio do rio. Ali percebe que não consegue fixar-se com os próprios pés. Tenta, então, retornar à margem.

Dá meia dúzia de braçadas, começa a afundar, gesticula e ainda tem forças para gritar:

- Socorro! A justiça está se afogando! Salvem a justiça!

Circunstantes acodem exitosamente – entre eles um bombeiro, exímio nadador, que passeava com a família.

Posto o juiz ébrio de volta à terra firme, recebe o conforto da esposa. Ele parece se recompor e então proclama, com o polegar esquerdo empinado:

- A justiça foi salva! Homologo o acordo para que surta seus jurídicos e legais efeitos.

No dia seguinte, um prestativo médico local fornece bonito e superabundante atestado: “O desconforto momentâneo do paciente, em dia de descanso, decorreu de reação ínsita à ingestão de um aperitivo, após prévio uso, na noite anterior, de ansiolítico necessário ao enfrentamento de estresse laboral”.

Sua Excelência passa bem!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Kauer

A “Menina Veneno”

 

A “Menina Veneno”

Bem vivido, bom de bolso graças à consistente aposentadoria recheada de interessantes penduricalhos, o destacado ex-operador jurídico, viúvo, boa pinta -  se é que isso é possível para um cidadão com 70 de idade -  afinal sai com uma moça escultural, bem malhada, 24 anos.  De comum, entre eles, só o Direito.

Charge de Gerson Kauer

  O enterro da sogra que não morreu

 

O enterro da sogra que não morreu

A inusitada abordagem no plantão judicial forense. Como autorizar o funeral de uma provecta idosa, de aparência taciturna, que – como manifestação de última vontade - deseja ser sepultada no sítio em que reside? O texto é de Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Charge de Gerson Kauer

A fama do João Grande

 

A fama do João Grande

Era uma ação penal contra um homem que estaria ofendendo e ameaçando a ex-esposa. As desavenças ocorriam porque ela postava, nas redes sociais, que o ex-marido vivia sempre na casa do João Grande, famoso na cidade gaúcha por ser bem-dotado.

Charge de Gerson Kauer

O gaúcho caloteiro

 

O gaúcho caloteiro

A difícil intimação de um fazendeiro, já conhecido no meio forense, como o Senhor Caloteiro. O êxito da diligência só acontece porque, no esconderijo, o devedor é acometido de coceira causada por urtiga.

Charge de Gerson Kauer

   A experiência dos velhinhos

 

A experiência dos velhinhos

Segundo a cartilha do banco, os saques mínimos no atendimento presencial seriam de R$ 200. Saiba como a idosa senhora - mãe de um advogado e avó de um estagiário do tribunal - convenceu o caixa de que ela tinha direito líquido e certo a sacar apenas R$ 50.

Charge de Gerson Kauer

Quando o suposto amor vira negócio

 

Quando o suposto amor vira negócio

O cliente, à hora da saída do motel, acelera o carro, derruba a cancela e se vai em desabalada fuga. Saiba porque, em Juízo, o tresloucado gesto do homem comove o juiz e obtém simpatia do dono do estabelecimento de hospedagem.