Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 22 de março de 2019.

Perfume de segunda categoria



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Trata-se de uma audiência de ação penal relativa a roubo à mão armada ocorrido em uma loja de perfumes, com prisão em flagrante, logo depois, do assaltante em fuga. O magistrado – homem elegante, traje bem cortado, ouve, como vítima, a dona do estabelecimento. Aos 25 de idade, ela exala fragrância oposta aos melhores perfumes franceses.

Aos soluços – mesmo passados dois meses desde a investida criminosa – a vítima parece ainda estar em choque existencial. No momento em que o magistrado pergunta sobre o possível reconhecimento visual do acusado, a depoente quase entra em síncope.

A escrevente alcança-lhe um copo d´água, o promotor oferece balas de hortelã, a vítima não aceita participar do reconhecimento – no que, aliás, está certíssima. A ela é sugerido então que, para evitar justamente o encontro visual com o facínora, aguarde no contíguo gabinete do juiz.

Este, na sequência, ouve as testemunhas, interroga o réu e termina a solenidade. Como o celular do magistrado tilinta, ele pede desculpas e ausenta-se do recinto para atender a ligação, solicitando que todos aguardem “um minuto”.

Quando se prepara para retornar à sala de audiências, o magistrado é surpreendido pela vítima:

- Doutor, o senhor tem compromisso para hoje à noite?

O juiz polidamente responde “já ser compromissado diuturnamente há muitos anos”. A mulher sorri insinuante e diz ter gostado “do que acabei de ouvir, mas lhe asseguro que também não estou a fim de compromissos sérios”.

O magistrado capta o recado e objetivamente sugere que seria melhor, para ela, “buscar alguém mais novo”. Intimamente – sem explícitas palavras – ele dá a entender que, com 45 de idade, não tem mais disposição física para as maratonas sexuais que a jovem mulher quixotescamente parece almejar.

O juiz volta à sala de audiências, senta-se então para presidir os derradeiros momentos da audiência, e – após um suspiro – evoca Vinicius de Moraes, o poeta das muitas mulheres: “A vida é a arte do encontro, embora haja tantos desencontros pela vida”.

Os demais presentes entreolham-se sem entender o porquê da frase, aparentemente tão fora do contexto jurisdicional.

Ao que interessa: duas semanas depois o assaltante é condenado a seis anos de prisão. E a loja de perfumes continua ativa.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.

Gerson Kauer

Nádegas generosas

 

Nádegas generosas

A condenação da editora de uma revista erótica, por causa da legenda ao lado da foto mostrando quadris e rosto de veranista praiana: “Meus olhos são pra ver/ Meu nariz é pra cheirar/ Minha boca é pra comer/ Meu ouvido é pra escutar / Mas também tenho algo pra dar”.

Gerson Kauer

Mulher em caução!

 

Mulher em caução!

Astucioso, o homem sai do motel sem pagar a conta. Surge depois a inusitada ação contra uma mulher, 30 de idade, tentando “receber o valor de uma diária, jantar e bebidas e, cumulativamente, uma reparação financeira, mesmo que pequena, para punir a ré pela trapaça civil cometida”

Gerson Kauer

De grosso calibre

 

De grosso calibre

No prédio com vista para o Guaíba, em que atuam lidadores do direito, chega uma caixa com “uma coisa estranha” endereçada a uma das doutoras da casa. Seria um “bilau” de brinquedo? O decano deu a solução na reunião em que participaram as cabeças mais lúcidas da Casa: “Temos que rever nossos conceitos”.

Charge de Gerson Kauer

O namorado do juiz

 

O namorado do juiz

Na comarca de entrância intermediária, um dos juízes é gay. Seu então parceiro é um técnico em informática de uma grande empresa agro comercial. Afinados, os dois homossexuais têm apenas uma única grande diferença: a questão salarial. De repente, há um tombo financeiro.