Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.

A experiência dos velhinhos



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É uma agência seleta de um dos bancos porto-alegrenses. Uma vovó, 65 anos ou mais, chega a um dos caixas para atendimento presencial.

Acompanhem o diálogo:

- Bom dia, quero sacar 50 reais.

- Lamento, mas aqui no caixa o saque mínimo é de 200 reais. Para valores menores, a senhora tem que ir no autoatendimento.

- Mas eu não sei usar as máquinas.

- Desça ao andar térreo. Ali, a funcionária que está junto aos caixas eletrônicos poderá lhe ajudar.

A idosa senhora fita o atendente de caixa e, em segundos, encontra a solução:

- Apesar do meu direito líquido e certo de retirar apenas 50 reais, eu aceito sacar os 200 que o senhor me impõe por causa da cartilha do banco.

Ela recebe então o dinheiro e o caixa pergunta se ela “deseja mais alguma operação”.

- Sim, quero fazer agora um depósito de 150 reais!

O bancário fica constrito por alguns segundos, mas se rende à argúcia da cliente. Faz a nova operação, recebendo 150 reais de volta, e entregando o papelucho do depósito.

Antes de sair, a senhora fita de novo o atendente e deixa as coisas bem claras:

- Melhor que tenha havido a solução pacífica, porque senão eu tocaria uma ação contra o banco. Meu filho é advogado e tenho um neto que é estagiário no tribunal e com eles aprendo os meus direitos.

O caixa fica quieto, a idosa afasta-se dois passos, e arremata irretorquível:

- Não se brinca com a experiência dos velhinhos!

Nada mais diz, nem lhe é perguntado. O caixa, no mesmo dia, relata por escrito à superintendência regional, “como sugestão para a revisão de conceitos e a fim de evitar confrontos com clientes”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

 

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

Era o primeiro dia de audiências do novel juiz na comarca. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. A severa escrivã também fazia a sua parte. Os advogados locais reagiram.

Charge de Gerson Kauer

Aparências enganam!

 

Aparências enganam!

Porta da frente, ou porta dos fundos? Dois dias depois das bodas, a surpresa: na comarca de entrância intermediária, Carlyson ajuizou ação de anulação do casamento contra a jovem esposa Jenifer. Ninguém imaginava o motivo. O experiente juiz logo entendeu tratar-se de “erro essencial quanto à pessoa”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Gerson Kauer - Divulgação

A loteria da cantada

 

A loteria da cantada

Na casa lotérica, a novel operadora de caixa, percebeu já nos primeiros dias de trabalho, que um dos donos do estabelecimento, insinuava-se com furtivos olhares. Sem demora, vieram furtivos toques de mão. E tudo desbordou em uma ação por dano moral decorrente de “intolerável assédio sexual com requintes de tentativa de indução à prostituição”.  

Charge de Gerson Kauer

A jurisdição terceirizada

 

A jurisdição terceirizada

A proposta instigante de um conselheiro de uma das seccionais estaduais da OAB: comprovar, judicialmente, que a jurisdição é prestada basicamente por assessores e estagiários. É hora de fazer de conta que tudo é ficção.

Charge de Gerson Kauer

O Advogado Fura-Colchão

 

O Advogado Fura-Colchão

Doutor Arencéfalo é o apelido de um advogado muito conceituado. O cognome é uma conjunção de ´Arbelino´, nome do pai dele e ´Encéfalo´, parte do corpo humano que controla o organismo. De repente, a surpresa na comarca: a elegante esposa pede o divórcio. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

As duas Têmis

 

As duas Têmis

No curso preparatório a concursos para ingresso na magistratura, um dos professores resolve aferir os conhecimentos gerais e a capacidade redacional dos alunos. Então entrega a cada um uma folha de papel A-4. Pede-lhes que ”escrevam de 20 a 30 linhas sobre Têmis”. Um dos discípulos sustenta e comprova a existência de uma divindade grega e de uma personagem terrena que não gostava de processos.