Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 24 de maio de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/doispontos.jpg

2019: ano difícil para os cursos universitários



PONTO UM:

Por meio das Leis nºs 11.114/2005 e 11.274/2006 houve uma significativa modificação no ensino fundamental, agregando-se aos oito anos, - até então contemplados - o 9º ano escolar, estendendo-se o tempo de permanência dos alunos nos ensinos fundamental e médio para um total de 12 anos.

O ciclo se implementou no ano de 2016, o que significa dizer que, neste ano de 2018, as escolas de ensino médio poucos, senão pouquíssimos, alunos tiveram matriculados no terceiro ano. Isso fez com que sindicatos e escolas privadas transacionassem, seja para que essas não findassem o ano no vermelho, seja para que os professores tivessem minimizados os impactos nos seus empregos ou carga horária.

PONTO DOIS:

No ano de 2019 será a vez dos cursos universitários, pois não terão o volume normal de pretendentes nos seus vestibulares ou quaisquer que sejam as formas de ingresso na faculdade, egressos do 3º ano do ensino médio.

O ensino superior público certamente é o menos atingido, porque sua sobrevivência financeira vem de outros fundos, mas os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior.

Também aqui a situação se refletirá sobre o quadro de professores, até porque na maioria dos casos são eles horistas, presumindo-se uma redução significativa na carga horária dos professores, sem se falar na possibilidade de redução do quadro de professores celetistas.

O ano de 2019 será, portanto, um ano difícil.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Constituição escrita a lápis

“Pela Emenda Constitucional nº 97/2017 alterou-se a Carta Magna para restringir as coligações partidárias exclusivamente às eleições majoritárias, vedando-se sua aplicação às eleições proporcionais. Contudo, já se fala nos corredores (do Congresso e da política) em rever essa reforma que ainda não foi aplicada”.

Fake news: o mal do século 21?

“Desinformação reproduzida e multiplicada em nada agrega nem ao espaço privado, nem ao público. Desinformação não constrói, desconstrói; é um mal e como tal deve ser tratada”.

A catedral famosa e a revolta contra as doações milionárias

“As obras de reconstrução, que levarão cinco anos, farão a roda rodar: empregos diretos e indiretos na construção civil e também em outras áreas serão criados, contribuindo para uma melhor divisão de rendas e para a redução das desigualdades”.

A conexão como cereja do bolo nos processos da Lava Jato

“A importância de um instituto processual no cenário judicial. Processualistas penais de plantão, a bola da vez está com Vossas Excelências, pois ao fim e ao cabo é o instituto de processo penal que vai determinar a competência, no caso concreto”.

Amigo que é amigo não "come" amiga

“A baixaria, a grosseria, a inconveniência, a ofensa, a deselegância e o machismo barato protagonizados por um desembargador do TJ de Santa Catarina”

Lágrimas de crocodilo

“A expressão significa choro fingido, falso, hipócrita, enganador. Há diferentes versões para explicá-la: 1) Os répteis ´choravam´ para atrair humanos; 2) As lágrimas decorreriam de uma reação física, após a ingestão de um animal; 3) E uma lenda medieval conta que os crocodilos costumavam chorar após devorar uma vítima”.