Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 19 de fevereiro de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/smj.jpg

Adivinhem a causa do fechamento de duas lojas de trajes finos masculinos



La Razon.com

Imagem da Matéria

 Ressaca financeira

A famosa grife italiana Ermenegildo Zegna fechou suas duas lojas no Rio de Janeiro. Eram sustentadas, basicamente, por 25 clientes especiais e, de repente, surgiu um consistente motivo, cheio de cifrões negativos.

É que desses 25 clientes famosos, 23 estão com problemas de “cash”, por estarem presos, ou enrolados nas teias da Lava Jato.

Mas três lojas Zegna continuam funcionando em... São Paulo.

A empresa de alta-costura, fundada em 1910 em Trivero (Itália) pelo alfaiate e empreendedor homônimo, tem 1.400 empregados está em alta no mundo inteiro. Menos na Grécia e no Brasil.

 O borracheiro latifundiário

A Comissão de Agricultura da Câmara realiza nesta terça-feira (4) uma audiência pública para discutir uma estranha história envolvendo um borracheiro que virou dono de uma área de 366 mil hectares em Formosa do Rio Preto (BA).

“A partir de uma polêmica decisão do juiz Sérgio Sampaio, e com base em um inventário de 1915, o borracheiro local José Dias passou a ser o proprietário de uma área que corresponde a cinco vezes o tamanho de Salvador. O MP baiano qualificou a decisão do magistrado como uma posse mágica" – relata o jornalista Lauro Jardim, em O Globo.

Em outra decisão, o mesmo juiz determinou a remoção repentina de cerca de 300 famílias produtoras do local. Muitas delas estão ali desde a década de 1980.

Instalada a confusão, o magistrado Sampaio declarou-se suspeito para continuar no caso, afirmando questões de foro íntimo. Enquanto isso, o borracheiro Dias criou uma holding com capital de R$ 580 milhões, em sociedade com uma advogada.

De acordo com o deputado Osmar Serraglio (PP-PR) que requereu a audiência que hoje se realiza, “a escritura do borracheiro foi obtida de forma ilegal”.

 Vox Populi

1) “Tem pichação nova nos muros LGBTQ mais politizados do Brasil: ‘Viva o sapatão, abaixo o Pezão!’”(Das redes sociais)

2) “Sérgio Moro não saiu da justiça para fazer política. Mas entrou na política para fazer justiça”.(Também das redes sociais).

 Lá vão eles...

Quando presidiu o Conselho Nacional de Justiça, o contestado ministro Ricardo Lewandowski determinou que o Encontro Nacional do Poder Judiciário - que define metas para o ano seguinte - seria em Brasília, para diminuir custos. Sua sucessora Cármen Lúcia, seguiu a regra.

Mas... novos tempos chegaram: com Dias Toffoli no comando do CNJ, a 12ª reunião anual, ontem (3) e hoje (4) está sendo realizada no Belmondo Cataratas – Thermas, Resort & Convention, em Foz do Iguaçu (PR). O hotel é integrante de uma rede com sede em Londres, dona também do Copacabana Palace (no Rio) e de novos hotéis no Caribe.

Magistrados e servidores brasileiros têm diárias e passagens pagas pelo CNJ e os emissários de tribunais regionais e estaduais estão bancados por suas respectivas cortes. A diária mais barata no embasbacante hotel custa R$ 600.

Economia da nação é matéria para outro departamento.

 Lá foram elas...

O Ministério dos Direitos Humanos está com os dias contados no Governo Bolsonaro. Nem aí, a ouvidora nacional de Direitos Humanos, Larissa Oliveira Rêgo, e Laura Guedes de Souza, coordenadora-geral de Gestão do Disque Direitos Humanos, estão desde sábado (1º) em uma prosaica “visita técnica de prospecção” a órgãos europeus que realizam serviços correlatos aos que exercem em Brasília.

Até o dia 9, a dupla estará em Lisboa e Viena. Naturalmente, com ônus aos cofres públicos.

Repetindo a frase aí de cima, economia da nação é matéria para outro departamento.

 Do baú do EV

Em seu livro “Jardim das Aflições”, em 1995, o escritor Olavo de Carvalho – o atual guru intelectual de Jair Bolsonaro – escreveu que FHC só se elegeu no ano anterior presidente do Brasil, vencendo Lula, porque recebeu uma “iniciação maçônica”.

E tem gente que pensava o tucano vencera a eleição por causa do Real que, meses antes, debelou a inflação galopante...


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Insucesso em ação de Tarso Genro contra Alexandre Garcia

 Acórdão do TJRS afirma que “o político está sujeito às críticas acerca da sua atuação, desde que sem abuso de direito”.

 Decorrência de uma cirurgia de redesignação sexual: loja pode exigir documentos claros de cliente mulher, cujo CPF cadastrado consta como de titularidade de um homem.

 Não é desejável que pombos façam cocô na estátua em homenagem a Ricardo Boechat...

• Um estudo escolar sobre a gravidez na adolescência.

A revelação do salário do “Juiz da Comarca”

A ´Imprensa Vermelha Isenta´ revelou que Diego Tardelli chegou ao Grêmio ganhando R$ 750 mil por mês. Blogueiro gaúcho fez o contraponto azul: D´Alessandro recebe o equivalente a 300 mil dólares mensais.

O maior cargo público no Brasil tem 43 palavras para denominá-lo

  Começa assim: “coordenador da Coordenação-Geral de Registro Empresarial...” Conheça a íntegra.

 Deputados seguem voando: foram à Europa para “aprender” (?) sobre ozonioterapia.

 Brasileiros milionários compraram 97 dos automóveis mais caros do mundo.

  Os R$ 70 milhões do patrimônio de Antonio Palocci.

O temor irônico de advogados: terem que usar gel no cabelo...

 TRF-4 não dispensa advogados de usarem paletó e gravata, porque – segundo o presidente da Corte, desembargador Thompson Flores Lenz (foto) - a vestimenta “deve ser adequada e compatível com o decoro, o respeito e a imagem do Poder Judiciário”.

  Toffoli pode estar “roubando” o espaço que era exclusivo de Gilmar Mendes...

  Um parafuso no meio da Pizza Hut...

 STJ condena Miguel Falabella e Claudia Raia a pagarem indenização de R$ 2 milhões.

 Fiscalização das barragens tem 170 fiscais, no Brasil todo. No Congresso são 29.700 assessores.

 Temor sobre a pretendida barragem às margens do rio Camaquã: governador Eduardo Leite não fala sobre “conflito socioambiental de atenção mundial”.

 Um imaginário encontro entre Lula e a juíza Gabriela

Os dois votos anulados: um era do velho Renan; o outro, do novo Renan

• Novo presidente do Senado, Daniel Alcolumbre: o judeu “pão-duro”.

 Renan teve experiência parecida com a de Fabrício Queiroz, assessor de Flávio Bolsonaro: comprava carros no setor de indústrias de Brasília para vender em Maceió.

• Toffoli pauta para 13 de março o julgamento, pelo Plenário do Supremo, de proposta pelo PSL que pretende alterar artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente.

 Novo presidente nacional da OAB é contra a prisão após o julgamento da segunda instância. E vai à tribuna do STF sustentar.

 Para pais da classe média, a intenção é possibilitar que seus filhos e filhas estudem fora do Brasil.