Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 24 de maio de 2019.

Quase 200 anos de prisão!



Sentença proferida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, condenou ontem (3), o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) a mais 14 anos e 5 meses de prisão, por lavagem de dinheiro. Agora, a pena total do ex-governador é de 197 anos e 9 meses de prisão. Cabral está preso desde novembro de 2016.

A sentença admitiu provado que Cabral usou empresas de sua ex-mulher, Susana Neves, e de seu irmão Maurício Cabral para lavar dinheiro de propina pago pela empreiteira FW Empreendimentos Imobiliários e Construções em troca da obtenção de contratos com o Governo do Estado do Rio de Janeiro.

A defesa do ex-governador sustentou – sem êxito - que o dinheiro (R$ 5 milhões) que Cabral recebeu da FW era destinado a financiamento de campanha eleitoral via caixa dois. Mas o empresário Flávio Werneck, o pagador da propina, contou que destinou R$ 15 milhões ao então governador.

Outros três réus na mesma ação também foram condenados: Susana Neves, 8 anos e 4 meses de prisão; Maurício Cabral, 4 anos e 6 meses de prisão; Flávio Werneck, 8 anos e 4 meses de reclusão. (Proc. nº 0504466-15.2017.4.02.5101).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A Gol também na rota terrestre do propinoduto político

Delação de um dos donos da empresa aérea pode bagunçar do Ibovespa a Brasília. O empresário Henrique Constantino confessa ter pago R$ 7 milhões em propina a grupo ligado a Michel Temer. Em troca, a empresa obteve R$ 300 milhões em financiamento da Caixa Federal. ‘Passageiros, reserva de poltrona’ e ‘localizador’ eram códigos para discutir pagamentos.

Humor Político – Chargista Boopo

Michel Temer vira réu pela sexta vez

 

Michel Temer vira réu pela sexta vez

Recebida a denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça. Ex-ministros Padilha e Moreira Franco também são réus. Os três negam acusações. Segundo o juiz, os fatos investigados no inquérito são similares àqueles sobre o chamado "quadrilhão do MDB", que também corre na Justiça Federal.