Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

OAB-RS cobra da Polícia Civil eficiência nas investigações sobre assassinato de advogado



Desde 13 de dezembro do ano passado, um dia após o assassinato do advogado Itomar Espíndola Dória, de 60 anos, que ocorreu (dia 12) no centro da cidade de Taquari (RS), a Polícia trabalha com a hipótese de que ele tenha sido morto por motivos relacionados à atividade profissional. Dória era conhecido no município e também na região por cuidar de causas trabalhistas, principalmente de empregados - e não de empregadores.

“É primordial a solução deste caso, pois o assassinato de um advogado representa uma afronta a toda a advocacia”, ressaltou o presidente da Ordem gaúcha, Ricardo Breier, ao falar sobre a morte de Dória, em reunião, na tarde da quarta-feira (7) com a chefe de polícia, delegada Nadine Anflor, no Palácio da Polícia Civil.

Acompanhado da presidente da Subseção de Taquari, advogada Maricel Lima, e do vice-presidente da seccional, Jorge Fara, o presidente da seccional gaúcha cobrou solução e lembrou a delegada que “o esclarecimento do assassinato é fundamental, pois o exercício do advogado, defensor da cidadania, não pode ser passível de violação com arbítrio, prepotência e violência de nenhum tipo",

A delegada Nadine pontuou: “O caso está em cima da minha mesa, podem ter certeza de que está entre as minhas prioridades”. Ela disse também “entender a visita dos senhores e reforço que estou em contato direto com a delegacia da região”.

Com mesa, ou sem mesa, passados 55 dias, não há pista alguma.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Diário da Manhã (Passo Fundo)

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

 

Por 85 votos x zero, declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para a advocacia

Decisão unânime do Conselho Pleno da OAB-RS, tomada na sexta-feira (28), resulta na exclusão do advogado acusado de lesar cerca de 30 mil clientes. Mas ele ainda pode recorrer ao Conselho Federal. Caso já tem cinco anos e quatro meses de duração. Réu em diversas ações penais, Mauricio Dal Agnol (foto) está em liberdade desde 23 de fevereiro de 2015, graças a uma liminar em habeas corpus, concedida pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Foto: Reprodução/RBS TV

Declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para o exercício da profissão

 

Declarada a inidoneidade de Mauricio Dal Agnol para o exercício da profissão

Decisão do Conselho Pleno da OAB-RS, tomada nesta sexta-feira (28), resulta na exclusão do advogado acusado de lesar cerca de 30 mil clientes. Mas ele ainda pode recorrer ao Conselho Federal. Caso já tem cinco anos e quatro meses de duração. Réu em diversas ações penais, Mauricio Dal Agnol (foto) está em liberdade desde 23 de fevereiro de 2015, graças a uma decisão do STF.