Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 24 de maio de 2019.

Escritório de advocacia é proibido de contratar advogados como sócios



A juíza Luciana Gonçalves de Oliveira Pereira das Neves, da 58ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, determinou que o escritório de advocacia Elísio de Souza deixe de contratar novos advogados como sócios. A decisão é passível de recurso e foi concedida em tutela antecipada, numa ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro. Segundo a procuradora do Trabalho Guadalupe Louro Couto, os sócios da banca eram, na verdade, empregados. As informações são do saite Jota, em matéria assinada pela jornalista Hyndara Freitas.

A decisão determina que o escritório Elísio de Souza se abstenha de admitir advogados como sócios ou associados e registre os advogados como empregados em livro ou sistema eletrônico, conforme determina o artigo 41 da CLT. Caso a empresa não cumpra a determinação, ficará sujeita a multa de R$ 100 mil por trabalhador admitido de forma irregular.

Segundo a petição inicial, os pretensos sócios tinham baixa remuneração, próxima ou até abaixo do piso salarial para advogados no Rio de Janeiro e recebiam valores fixos, sem qualquer participação dos resultados da sociedade. Além disso, a presença dos advogados era cobrada, assim como o horário de saída e de entrada era controlado.

Mais detalhes

Outros indícios de vínculo foram a existência de estrutura hierárquica, com subordinação a supervisores e coordenadores e recebimento de ordens diretas, e a participação de processo seletivo com entrevista e prova.

O MPT também colacionou depoimentos prestados em reclamações trabalhistas de ex-colaboradores contra o escritório. Em quatro ações distintas, depoentes afirmaram que o escritório Elísio de Souza exigia que os advogados comparecessem diariamente na sede da empresa em horário comercial e que havia subordinação a supervisores.

Além disso, o MPT demonstrou que o quadro societário do escritório sofre constantes alterações, quase mensais, para - segundo a petição inicial - excluir e incluir sócios que dispõem de apenas uma cota, “o que se concretiza em mais uma fraude para que haja uma dissimulação da condição de sócio”.

Na ação, o MPT pede que – no julgamento final de mérito - o escritório seja condenado a pagar indenização por danos morais coletivos no valor de 10% do seu faturamento anual bruto.

Na decisão inicial, a juíza Luciana Gonçalves de Oliveira Pereira das Neves concedeu a tutela em parte, determinando que a banca se abstenha de contratar novos sócios e que regularize os advogados associados, que deverão passar a ser celetistas.(Proc. nº 0100051-26.2019.5.01.0058).

Contraponto

Procurado pelo saite Jota, o escritório não retornou o contato para oferecer seu contraponto.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Raúl Carlos Brodt - Advogado 13.03.19 | 12:39:27

Meu cordial boa tarde! A matéria acima é uma excelente contribuição aos advogados. Muitíssimo obrigado por tudo! Abraço "alaúcho" (mistura de alagoano com gaúcho),  fraternal e bem chinchado.                                 RAUL CARLOS BRODT, advogado em Alagoas (OAB-AL nº 2.909)


 

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Penhora em contas de advogado que reteve valores de indenização trabalhista da cliente

O TJRS defere a constrição on line (R$ 118 mil) nas contas bancárias do devedor. E a relatora registra que “este é mais um processo envolvendo o mesmo advogado, cuja conduta de sacar o alvará e não repassar o valor ao cliente parece ser reiterada”. Réu de 18 ações no Foro de Porto Alegre, ele tem situação “normal” na OAB-RS.

A íntegra da Resolução nº 151 da PGE-RS

Segundo seu palavrório inicial – ela “estabelece normas gerais para a definição e mensuração dos objetivos estratégicos, diretrizes e programas de metas para otimização da atuação funcional voltada ao incremento da arrecadação de receitas”.

Charge de Gerson Kauer

Penduricalhos-gerais do Estado !

 

Penduricalhos-gerais do Estado !

Uma criação financeira sem lei. Nova conta, que receberá cerca de R$ 1,5 milhão ao mês, foi oficializada via resolução da própria PGE, publicada no Diário Oficial do Estado, sem tramitação e/ou aprovação do Poder Legislativo. Os procuradores ativos e servidores de carreira serão beneficiados.