Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 25 de junho de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/smj.jpg

Abundância no jantar de aniversário do STJ para 800 convidados



· Dia de abundância

Para comemorar seus 30 anos de existência, o Superior Tribunal de Justiça realizou programação que incluiu o seminário “O Poder Judiciário nas Relações Internacionais” e um faustoso jantar, num restaurante no Lago Sul, em Brasília.

Os comes e bebes foram fornecidos pela empresa Renata La Porta Buffet, que assim anunciou o evento nas redes sociais: “Hoje é um dia de abundância, com entrega de vinhos maravilhosos, caixas e mais caixas de materiais novos e a cozinha a mil, produzindo festas incríveis, celebrando os 30 anos do STJ para 800 convidados”.

Soube-se que a conta foi paga pela AMB – Associação dos Magistrados Brasileiros. Esta e o tribunal fecharam-se em copas sobre o sistema de contratação, o valor da despesa e os itens encomendados. Mas a AMB admitiu ter sido “apoiadora do evento dos 30 anos do STJ, com recursos próprios, sem qualquer apoio, direto ou indireto, de empresas públicas ou privadas”.

O jornalista Frederico Vasconcelos, da Folha de S. Paulo, revelou em seu blog que “entre os clientes da Renata La Porta Buffet estão outros órgãos públicos, como o Senado Federal, a Câmara Federal, a PGR, o STF e o STM”.

Magistrados ouvidos pelo Blog do Fred criticaram o apoio da AMB, considerado um desvio de finalidade associativa e sindical.

Aqui a reprodução de alguns comentários de magistrados:

l) “Culto ao símbolo, convescote absurdo, esse principado tem que acabar”;

2) “Jantar em celebração ao aniversário de um órgão público é reflexo cultural do ‘medalhismo’ encarnado no jogo político de tribunais e associações”;

3) “Não é a primeira vez que associações de classe atuam para viabilizar eventos de tribunais”.

· Mimos superiores

O STJ gastará R$ 360 mil para comprar 32 tablets, com teclados à parte, para 32 dos 33 ministros do tribunal. O presidente não quis para seu uso.

Preço unitário: R$ 11.250.

A compra talvez fizesse sentido em função do modernismo, se os magistrados ainda não tivessem laptops de primeira. Ou se o dinheiro não fosse público.

· T(r)emor político

O STJ retoma, nesta semana, um julgamento que leva quase à loucura muitos dos atuais e ex-governadores. A Corte vai estabelecer se eles devem responder por peculato quando dão calote nos bancos responsáveis pelos créditos consignados dos servidores para arcar com outras despesas, como a folha de pagamento do funcionalismo.

A ação penal em questão diz respeito à gestão de Waldez Góes, do Amapá.

O relator, Mauro Campbell, e o revisor, Benedito Gonçalves, votaram pela absolvição. E João Otávio Noronha coincidentemente, ex-diretor jurídico do Banco do Brasil abriu divergência, em favor da condenação de Waldez.

_________________________________________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Mime das redes sociais sobre charge de DUKE

Em 13 meses, 309 viagens internacionais de deputados brasileiros

 

Em 13 meses, 309 viagens internacionais de deputados brasileiros

 Um dos destinos da moda, agora, é Dubrovnik, na Croácia. O objetivo é dar, às excelências, "acesso a novos conceitos, políticas públicas e experiências legislativas úteis ao Brasil" (risos...).

• TJRS autoriza penhora do automóvel da mulher para pagamento de dívida do marido.

 Quem é o senador “mais ladrão” da República?

 Mais de 50% das matérias penais julgadas, de 2013 a 2017 pelo STF, foram pedidos de habeas corpus.

O Telegram, por meio do qual Moro e Deltan se comunicavam, tem capital russo e sede em Dubai

 

O Telegram, por meio do qual Moro e Deltan se comunicavam, tem capital russo e sede em Dubai

 Constatações em série: Sérgio Moro continua o ministro mais popular do governo.

 Ex-ministro do STF Carlos Velloso avalia que os vazamentos de conversas “não devem virar trunfos para os acusados pela Lava-Jato”.

• Uma dica antiga de Tancredo Neves: “Só fale por telefone aquilo que você pode falar em público”.

 São turvas as relações atuais entre a OAB-RS e a OAB nacional.

 Advogados simpáticos ao PT já preparam articulações para tentar ganhar as eleições na Ordem gaúcha em 2020.

 O pito que, em público, João Dória passou num coronel da PM paulista.

Imagem de JetShoots.com – Montagem de Gerson Kauer

   As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

 

As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

   Os maus serviços, a impontualidade e a falta de assistência praticados pelas empresas aéreas. A (finada) Avianca é a campeã de reclamações.

   O casal de namorados que comprou passagem para ir a Florianópolis de avião, mas teve que se sujeitar a sete horas de viagem de ônibus.

  A ação da atriz Juliana Paes e seus filhos contra a Delta Airlines: dez horas retidos em Atlanta (EUA).

   A (des) ordem nacional da má prestação de serviços: Oi (1º), Vivo (2º), Claro (3º), Sky (4º) e Net (5º).

Arte de Camila Adamoli sobre charge de Junião

   Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 

Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 R$ 5,8 milhões anuais para que os deputados federais viajem à vontade.

 Uma compra de 106 mil pistolas.

 Empresários, tremei! Vem aí uma delação arrasadora.

• Fiança (paga!) de R$ 90 milhões para soltar um preso.

 Uma mulher brasileira comandará, a partir de Cingapura, a operação da Coca-Cola em onze países asiáticos.

VOX MS

   As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 

As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 Um concurso para ingresso na magistratura em que Diego foi aprovado, mas Juliano não teve igual sorte.

 No mesmo dia da posse do juiz, porém, o amigo é designado para assessor. Então, os dois passam a morar juntos.

 O advogado Eugênio Costa e suas influências na comarca. Encontros para jogar vídeo games. E uma ida às compras no free shop do Chuí.

 O oferecimento dos serviços de futura consultoria advocatícia.

 “É nesse círculo de relacionamentos em que relações da vida privada (amizade, camaradagem, afinidades pessoais) se misturam com a vida profissional, que o Dr. Diego Magoga Conde passou a comprometer a sua independência de magistrado” – afirma o desembargador Rogério Gesta Leal.

Lula está apaixonado e planeja casar

•  Revelação foi feita por Luiz Carlos Bresser Pereira, ex-ministro de FHC. A eleita é uma paulista, 40 de idade.

•  Gilmar garante a executivo da Vale direito ao silêncio em CPI sobre Brumadinho.

•  Promotores rebatem estudo da OAB contra prisão em segunda instância.

•  TJ de Pernambuco anuncia o “divórcio impositivo”.