Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Virem-se e estudem!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Valdirene, Jaqueline e Jeniferlídia eram três meninas de boas famílias do interior, muito inteligentes, estudiosas e primeiras na escola. Terminaram o segundo grau e passaram em universidade particular na Capital, só que as suas respectivas famílias, de classe média baixa, não conseguiriam pagar.

Resolutas, as três combinaram que iriam fazer as matrículas e depois iriam “se virar” para quitar as mensalidades.

Instalaram-se numa morada em próspera zona comercial da Capital e distribuíram panfletos de propaganda, anunciando a abertura de uma casa de diversões para o público masculino adulto.

Ao lado, havia uma - também próspera - igreja evangélica. É claro que um dos panfletos caiu nas mãos santas do pastor. Indignado, ele usou suas perorações diárias durante os cultos de cura das enfermidades sexuais, “para afastar estas pecadoras do lado de nossa abençoada casa divina”.

Tanto rezaram que, uma noite, durante uma farra homérica na casa, houve um incêndio causado por um curto-circuito nos fios na frente das duas casas. Na Casa Divina, nada; na Casa Maligna, destruição total. Comemorações e agradecimentos aos céus pela bênção, de um lado; impregnações pelo “olho grande” do pastor, de outro.

As meninas, cursando Direito, ingressaram com ação contra a igreja vizinha, afirmando terem sido as orações que “chamaram” a tragédia. Na contestação, a óbvia defesa de que preces não atraíam qualquer desventura ao próximo.

A juíza, exemplo de retidão pessoal, julgou improcedente a ação, mas não deixou por menos na fundamentação: “É um caso sui generis; de um lado universitárias crentes nos castigos divinos pelas ´vidas fáceis´ que levavam e de outro evangélicos descrentes no poder das orações”.

Nos corredores forenses e da OAB muitos lamentos... Das três meninas de boas famílias, só Jeniferlídia tem sido vista no fórum. Com a compaixão de um advogado de terceira idade, ela é autora uma ação de alteração do registro civil.

Por “azares e incômodos morais” que o prenome Jeniferlídia agora lhe causa, ela pretende passar a chamar-se Samantha...

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O amor é cego?

 

O amor é cego?

A primeira audiência você nunca esquece! A surpresa do novel juiz, na tarde inaugural de suas audiências na comarca. Por que, afinal, o homem de 45 de idade, trocou a esposa de 43 por uma idosa muito feia, 17 anos a mais de idade. A escrivã contou o importante detalhe que não estava nos autos.

Charge de Gerson Kauer

O inédito e imparcial sorteio

 

O inédito e imparcial sorteio

Como houve um impasse – aparentemente insolúvel - entre os irmãos Mário e Maria, o juiz decidiu que a solução seria um sorteio. Os interessados concordaram. A escrivã trouxe uma caixa e colocou os papeluchos. Coube ao estagiário, de olhos fechados, meter a mão e... 

Charge de Gerson Kauer

Serviços (in) eficientes de cama

 

Serviços (in) eficientes de cama

Depois do ajuste verbal, a extensão do programa sexual combinado não atende à expectativa do fazendeiro. Ele resolve então sustar o cheque que, antecipadamente, fora entregue à percanta. A questão foi parar no Juizado Especial Cível. Acompanhe a evolução e conheça o desfecho.

Charge de Gerson Kauer

A piscada do juiz

 

A piscada do juiz

A surpresa durante a audiência de uma ação de usucapião. Ao final do depoimento pessoal do réu, o magistrado piscou-lhe o olho e disse: “O senhor pode sair”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.