Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Confirmada condenação de ex-juiz, um ex-servidor judicial e três advogados



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Google Imagens e CNMMoney

Imagem da Matéria

A 4ª Câmara Criminal do TJRS manteve a condenação do ex-Juiz de Direito Diego Magoga Conde a 12 anos e oito meses de reclusão em regime inicial fechado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro (cada um dos fatos, duas vezes).

Magoga Conde atuava na comarca de São Lourenço do Sul quando foi denunciado pelo Ministério Público. A acusação é de que ele e outras quatro pessoas criaram um esquema envolvendo a liberação irregular e posterior apropriação de verbas honorárias (remuneração pelo trabalho advocatício) em valor superior a R$ 700 mil.

Como “participação”, Conde recebeu R$ 112 mil.

De acordo com a denúncia do MP, o advogado Eugênio Correa Costa, inventariante dativo, ofereceu dinheiro ao ex-magistrado e a seu assessor, Juliano Weber Sabadin, em troca da liberação de alvarás de honorários e adjudicação em um processo de inventário de bens.

Conforme a denúncia, o ilícito ocorreu duas vezes, entre dezembro de 2009 e julho de 2010: na primeira vez, foram movimentados R$ 308.940,41, dos quais o ex-juiz e o assessor – que moravam juntos - receberam R$ 50 mil cada. Na segunda investida, o então magistrado recebeu R$ 62 mil dos R$ 437.642,31 liberados para o advogado Costa.

Os outros dois implicados são o pai do juiz, Vitor Hugo Alves Conde (também advogado) e a advogada Juliana Leite Haubman, cônjuge de Eugênio. Eles ajudaram na dissimulação quanto à origem do dinheiro, a partir de movimentações financeiras e compras de bens.

Em março de 2010, em duas transferências bancárias totalizando R$ 100 mil, Vitor Hugo Conde comprou para o filho um automóvel Mercedes-Benz.

O então juiz Diego Magoga Conde foi colocado em disponibilidade pelo Órgão Especial do TJRS em 30 de maio de 2011. O colegiado considerou, por unanimidade, que o magistrado não tinha condições de continuar na carreira, iniciada seis anos e três meses antes e, por maioria, aplicou a pena de disponibilidade com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço.

Após, Conde pediu exoneração. Pediu então inscrição como advogado – o que lhe foi negado pela OAB-RS.

Em primeira instância, os réus foram condenados criminalmente por corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro. Todos recorreram ao Tribunal de Justiça

O relator do acórdão, desembargador Rogério Gesta Leal, afastou as 17 preliminares de contestação apresentadas pelas defesas dos réus. No mérito, votou pela condenação de todos.

O voto reproduziu os passos da atuação de todos os réus e confirmou a integralidade da participação de cada um no esquema e dos bens jurídicos. Ele também chamou atenção para as notas fiscais apresentadas para justificar a circulação do dinheiro, que foram emitidas quase oito meses depois do início da investigação. O voto ainda detalhou as interceptações telefônicas e as quebras de sigilo bancário, além dos depoimentos de testemunhas.

“Há provas de amparo testemunhal, documental e até das contradições dos réus”, afirmou o desembargador Aristides Pedroso de Albuquerque Neto, revisor do processo. Ele também disse o caminho do dinheiro, as ligações telefônicas e as relações pessoais comprovam os crimes.


As penas mantidas

· Diego Magoga Conde - 12 anos e 8 meses de reclusão e 60 dias-multa, à razão de 1/20 do salário mínimo nacional. A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida em regime inicial fechado. Corrupção ativa e lavagem de dinheiro (ambas duas vezes)

· Juliano Weber Sabadin, ex-assessor do juiz, atualmente advogado com inscrição regular na OAB-RS: 6 anos e 8 meses de reclusão e 40 dias-multa, à razão de 1/20 do salário mínimo nacional. A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida em regime inicial semiaberto. Corrupção passiva (duas vezes) e lavagem de dinheiro (uma vez)

· Eugenio Correa Costa, advogado - 10 anos, 9 meses e 10 dias e 50 dias-multa, à razão de 1/20 do salário mínimo nacional. A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida em regime inicial fechado. Corrupção ativa (2 vezes) e lavagem de dinheiro (uma vez)

· Juliana Leite Haubman, advogada - 10 dias-multa, à razão de 1/20 do salário mínimo nacional. A pena privativa de liberdade (3 anos de reclusão em regime aberto) foi substituída por prestação de serviços à comunidade, além do pagamento de prestação pecuniária de 01 salário mínimo nacional. Lavagem de dinheiro (uma vez)

· Vitor Hugo Alves Conde, pai do juiz e advogado - 6 anos de reclusão e 20 dias-multa, à razão de 1/20 do salário mínimo nacional. A pena privativa de liberdade deverá ser cumprida em regime inicial semiaberto. Lavagem de dinheiro (duas vezes).

(Proc. nº 70079034575)


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.