Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 24 de maio de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/mab_123_17.jpg

As três máquinas italianas de café expresso que serviam Lula



Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

 O café quente oficial de Lula

O jornalista Ascânio Seleme contou, na edição de domingo (12) de O Globo, uma perolar e repetitiva faceta do ex-presidente Lula durante seus oito anos de poder e delírios.

Diz assim:

“A turma mais chegada sabe que o ex-presidente Lula adora tomar café expresso bem quente.

Sirva a ele um café frio e depois aguente as consequências. Quando ocupava o trono, quero dizer, a principal cadeira do Palácio do Planalto, o pessoal de apoio levava uma máquina de expresso em todas as viagens presidenciais.

Foram compradas três máquinas italianas, grandes e profissionais, de modo que numa viagem com escalas sempre houvesse um café bem quente em todas as paradas. A equipe precursora levava as máquinas para poder instalá-las de maneira a estarem em ponto de ebulição na chegada de Lula.

Houve viagens com quatro escalas, sobretudo em anos eleitorais. Nesses casos, a primeira máquina depois de cumprir sua missão embarcava em voo especial para a última parada de Lula”.

Tais são jeitos de fazer política no Brasil e dos caprichos de mostrar poder, à custa dos contribuintes.

  Indeferimento de penduricalho

O Diário da Justiça Online do TJRS publicou ontem (13) uma exemplar decisão, que fulmina uma argentária pretensão de juízes gaúchos, sob o patrocínio institucional da Ajuris, a sua entidade de classe.

Numa iniciativa que não teve a mínima publicidade, a entidade pediu a concessão de auxílio-creche aos magistrados, pela via administrativa.

A pretensão foi examinada pelo Conselho da Magistratura, cujos cinco integrantes salientaram que “as disposições constitucionais e legais não contemplam os magistrados com o benefício em questão, sendo imprescindível o ato legislativo para a extensão da benesse a uma nova categoria jurídica”. (Proc. administrativo nº 8.2019.0146/000019-5).

Vale a pena ler a ementa do julgado – tal como publicada no órgão oficial, toda em maiúsculas (o que dificulta a leitura):

“RELATOR: DESEMBARGADOR ÍCARO CARVALHO DE BEM OSÓRIO
PARTE: ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES DO RIO GRANDE DO SUL – AJURIS.
EMENTA: RECURSO ADMINISTRATIVO. PEDIDO DE CONCESSÃO DE
AUXÍLIO-CRECHE A MAGISTRADOS PELA VIA ADMINISTRATIVA.
INDEFERIMENTO. INOVAÇÃO RECURSAL COM MENÇÃO EXPRESSA
À VIA LEGAL.
EXAME DO MÉRITO LIMITADO AO PLEITO ORIGINAL. DISPOSIÇÕES
CONSTITUCIONAIS E LEGAIS QUE NÃO CONTEMPLAM OS
MAGISTRADOS COM O BENEFÍCIO EM QUESTÃO.
IMPRESCINDIBILIDADE DE ATO LEGISLATIVO PARA EXTENSÃO
DA BENESSE A UMA NOVA CATEGORIA JURÍDICA, PORQUANTO
INEQUÍVOCA A INOVAÇÃO NA ORDEM JURÍDICA.
PRINCÍPIO DA LEGALIDADE. ART. 37 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL/1988.
DECISUM INDEFERITÓRIO CONFIRMADO.
RECURSO DESPROVIDO. UNÂNIME.
ACÓRDÃO VISTOS E RELATADOS ESTES AUTOS EM QUE É PARTE A
ACIMA INDICADA, DECIDE O CONSELHO DA MAGISTRATURA DO TJRS,
POR UNANIMIDADE, NEGAR PROVIMENTO AO RECURSO, NOS TERMOS
DO RELATÓRIO, VOTOS E NOTAS DE JULGAMENTO QUE FICAM
FAZENDO PARTE INTEGRANTE DO PRESENTE JULGADO.
PRESENTES OS DESEMBARGADORES CARLOS EDUARDO ZIETLOW DURO
(PRESIDENTE), MARIA ISABEL DE AZEVEDO SOUZA (1ª VICE-PRESIDENTE),
ALMIR PORTO DA ROCHA FILHO (2º VICE-PRESIDENTE),
TÚLIO DE OLIVEIRA MARTINS (3º VICE-PRESIDENTE),
ÍCARO CARVALHO DE BEM OSÓRIO E DIÓGENES VICENTE HASSAN RIBEIRO”. 

 A considerar

Foi de discutível moralidade a pretensão da Ajuris de forrar a magistratura gaúcha com novo penduricalho sem tributação. A ágil entidade tentou um caminho jurídico a que os simples mortais não têm direito.

Enquanto os cidadãos comuns – sem disporem de estagiários nem assessores - sujeitam-se à contratação de advogados, pagamento de custas, demoradas demandas judiciais, infindáveis recursos e, afinal precatórios, etc. houve uma tentativa corporativa de conseguir rapidamente, para incontável número de magistrados gaúchos, mais um imoral penduricalho livre de impostos.

Feio isso, hein!

 Horas extras para advogado

A Unimed Belo Horizonte Cooperativa de Trabalho Médico Ltda. (Unimed-BH) foi condenada pelo Tribunal Superior do Trabalho a pagar, ao advogado Ricardo Correa Santos Viana, como horas extras, o tempo de trabalho prestado a partir da quarta hora diária e da vigésima semanal, acrescidas do adicional de 100%.

Embora ele trabalhasse mais de oito horas por dia, o contrato individual de trabalho não continha cláusula expressa de dedicação exclusiva.

De acordo com o artigo 20 do Estatuto da Advocacia (Lei nº 8.906/94), "a jornada de trabalho do advogado empregado, no exercício da profissão, não poderá exceder a duração diária de quatro horas contínuas e a de 20 horas semanais". Só nos casos em que a norma coletiva estabeleça jornada diferenciada, ou em que o contrato de trabalho exija dedicação exclusiva, a jornada pode ser de oito horas.

Dispensado pela Unimed em 2011, após um ano e dez meses de contrato, o advogado pediu na ação trabalhista que fosse reconhecido seu direito à jornada de quatro horas, com o deferimento do pagamento, como horas extras, do tempo de prestação de serviço acima desse limite.

Ele comprovou que trabalhava das 7h30 às 20h30, de segunda a sexta-feira, com uma hora e meia de intervalo; e quatro horas em um sábado e um domingo por mês. (Proc. nº 347-56.2012.5.03.0114).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Montões de dinheiro para dois magistrados

 Tabeliães brasileiros tem média de renda mensal líquida de R$ 108 mil

 Em Minas Gerais, a folha de pagamentos de abril contemplou um juiz com R$ 762 mil. Uma colega ganhou R$ 377. São “férias prêmio” e outros penduricalhos generosos.

 Penhora indevida na conta de mulher para garantir pagamento de dívida trabalhista da empresa do marido.

  O Conselho Federal da OAB contra o pacote anticrime de Sérgio Moro.

  STJ fixa duas teses sobre construtoras que atrasam entregas de obras.

  Foto de um pênis ereto, via WhatsApp para incomodar mulher casada.

Administradores judiciais disputam a reestruturação de dívidas bilionárias

• Maior dívida é da Oi: são R$ 63 bilhões. Honorários de seus administradores judiciais serão de R$ 99 milhões.

 Câmara Federal prepara mais uma torragem de dinheiro público: contratação de 274 vigilantes particulares.

 Quando solicitados, bancos deverão fornecer a segunda via dos extratos em papeis onde as letras não desapareçam com o tempo.

 Mulheres progridem menos na carreira jurídica em comparação com os homens.

Motorista pode ter desconto em salário, em razão de multas de trânsito

• Decisão do TRT-RS confirma sentença proferida na JT de Canoas: “Legítimos os descontos em questão, por serem correspondentes aos prejuízos causados pelo empregado à empresa”.

•  STJ julga no dia 5 causa de US$ 500 milhões: investidores contra a Ambev

 Os atos de oficiais de justiça podem passar a ser cobrados nos Juizados Especiais.

 Dez integrantes do MPF inscritos como candidatos ao cargo de procurador-geral da República.

 Delegados de polícia, procuradores de Estado e da Assembleia Legislativa e defensores públicos não têm direito ao foro privilegiado.

Caso gaúcho de doação de óvulos entre duas irmãs

  Decisão desta semana da Justiça Federal do RS autoriza o descumprimento de resolução do Conselho Federal de Medicina que proíbe que doadores(as) e receptores (as) de gametas e embriões conheçam a identidade um do outro.

  Caso de planejamento familiar semelhante também teve, em 2018, sentença favorável em mandado de segurança julgado pela JF de São Paulo.

  Os espaços em que Bolsonaro investe na imagem pessoal, em canais de tevê de menor audiência. Enquanto isso, Globo e globais continuam de fora.

Consumidora gaúcha obtém sentença que garante a devolução de veículo defeituoso

 A Ford e a Ribeiro Jung reembolsarão a prejudicada com R$ 54 mil (mais correção e juros) e pagarão reparação moral de R$ 5 mil.

 Leia a íntegra da sentença da ação consumerista que expõe defeitos repetitivos numa Eco Sport comprada nova.

 A crise brasileira levará quase um milhão de famílias a engrossar as classes D/E em 2019.

 Juízes federais também querem prestar jurisdição eleitoral. Vale R$ 5.390 mensais, livres de tributação.

 Nos Correios, um chefe a cada dois servidores.

Grampo autorizado judicialmente revela desembargador pedindo “vaga fantasma” para esposa, filho e sogra

 Interceptações telefônicas revelam que o magistrado Alexandre Victor de Carvalho (foto), do TJ-MG, adianta que promotores não fiscalizam.

 Na Assembleia Legislativa mineira a negociação foi feita com o então procurador-geral, Augusto Mário Menezes Paulino, que – numa das ligações grampeadas - alerta o magistrado sobre a possibilidade de a nomeação configurar nepotismo cruzado.

 “Você acha que vale a pena arriscar?” - questiona o desembargador. “Acho que não! Fica com uma bundona na janela danada” - responde a outra voz.