Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

A loteria da cantada



Gerson Kauer - Divulgação

Imagem da Matéria

Na casa lotérica “O Número da Sorte”, Mônica, a novel operadora de caixa, percebeu já nos primeiros dias de trabalho, que Tião, um dos donos do estabelecimento, insinuava-se com furtivos olhares. Estes, já na quinzena seguinte, foram substituídos por sub-reptícios e acidentais toques de mão.

Num sábado de rendoso movimento, a moça foi chamada à salinha do dono: “Percebi esta semana duas faltas no teu caixa: R$ 300 na quarta-feira e R$ 1.100 hoje. Como vais acertar isso?...

Mônica pretextou inocência, disse ser “ficha limpa” (coincidentemente era semana de eleições), alegou que nunca furtara ninguém e ponderou “não ter as mínimas condições de pagar esses 1.400 reais que eu não peguei”...

O Tião tinha a proposta na ponta da língua: “Na terça eu te dou folga, passamos a tarde no motel e a conta da tua dívida fica zerada. Se der tudo certo, de vez em quando a gente repete os encontros. E assim tu garantes uma renda extra, como se tivesses uma ou duas vezes por mês acertado um bolão da quina. Pensa nisso, e me dá a resposta na segunda-feira”.

Dito e feito, na segunda-feira Mônica chegou e foi direto à salinha do empregador. Ali, com o celular escondido, ela gravou detalhes sussurrados e adicionais da indecente proposta patronal. Em seguida, após um surpreendente giro de 180 graus, passou um pito no chefe, verbalmente pediu “demissão indireta” e, no mesmo dia, foi ao advogado.

Uma semana depois, foi ajuizada a “ação por dano moral decorrente de intolerável assédio sexual com requintes de tentativa de indução à prostituição”.

Mais seis meses se passaram e a sentença deferiu R$ 30 mil de indenização: “A degravação comprova que o sócio da reclamada assediava sexualmente a reclamante, tocando-a impropriamente e fazendo convites para que mantivessem relações sexuais”.

Julgando o recurso ordinário da lotérica, o tribunal regional foi didático: “A doutrina classifica o agir ilícito aqui analisado em duas espécies, com diferenciais marcantes. Primeira: o assédio sexual por chantagem, intercâmbio, ou assédio sexual ´quid pro quo´. Segunda: o assédio sexual por intimidação".

Sem jogar na quina, mas acertando na recusa em ir ao motel, na semana passada Mônica recebeu a indenização. Na rádio-corredor forense-trabalhista, conta-se que, “no caso, o número da sorte – dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três... – foi o simpático 30”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O amor é cego?

 

O amor é cego?

A primeira audiência você nunca esquece! A surpresa do novel juiz, na tarde inaugural de suas audiências na comarca. Por que, afinal, o homem de 45 de idade, trocou a esposa de 43 por uma idosa muito feia, 17 anos a mais de idade. A escrivã contou o importante detalhe que não estava nos autos.

Charge de Gerson Kauer

O inédito e imparcial sorteio

 

O inédito e imparcial sorteio

Como houve um impasse – aparentemente insolúvel - entre os irmãos Mário e Maria, o juiz decidiu que a solução seria um sorteio. Os interessados concordaram. A escrivã trouxe uma caixa e colocou os papeluchos. Coube ao estagiário, de olhos fechados, meter a mão e... 

Charge de Gerson Kauer

Serviços (in) eficientes de cama

 

Serviços (in) eficientes de cama

Depois do ajuste verbal, a extensão do programa sexual combinado não atende à expectativa do fazendeiro. Ele resolve então sustar o cheque que, antecipadamente, fora entregue à percanta. A questão foi parar no Juizado Especial Cível. Acompanhe a evolução e conheça o desfecho.

Charge de Gerson Kauer

A piscada do juiz

 

A piscada do juiz

A surpresa durante a audiência de uma ação de usucapião. Ao final do depoimento pessoal do réu, o magistrado piscou-lhe o olho e disse: “O senhor pode sair”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.