Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Mon amour, meu bem, ma femme...



Chargista DUM

Imagem da Matéria

“Mon amour, meu bem, ma femme” - esse é o título de uma música que, na década de 70, era cantada, ou rebolada, pela Gretchen e mais tarde pelo Reginaldo Rossi. Não atende o meu gosto musical, mas lembrei dela como apropriada trilha sonora para o atualíssimo caso Neymar Jr.

O cenário foi a irretocável Paris, capital dos amores, do romantismo e destino dos casais apaixonados.

O prédio do hotel que abrigou o casal ostenta uma arquitetura que não desborda do restante dos prédios parisienses, um clássico elegante.

Como muita gente, também recebi inúmeros vídeos acerca dos pombinhos. Primeiro da Nadja, a suposta estuprada. O seu nome não poderia ser mais apropriado, pois muito próximo ao da serpente naja, belíssima e ao mesmo tempo peçonhenta.

São fotos estimulantes, reveladoras de uma exuberante sexualidade, todas eróticas. Tenho certeza que de alguma forma o nosso atleta teve acesso a ela pelas redes sociais, travando com ela uma conversa ´chaud´ (quente). Há diálogos promissores. Ambos ameaçam isso e mais aquilo.

Como se estivesse comprando um carrinho de autorama novo, ou um celular novo para ser mais contemporâneo, o nosso atleta estuprador não se mixou, tratou logo do transporte do corpinho, ou corpão, para onde estava, local em que consumariam todas as fantasias sexuais prometidas.

No mínimo a nossa compatriota estuprada, revelou-se assanhada - como diria minha avó. Já o nosso craque, o estuprador, que gosta do gênero feminino, o que ainda não é pecado, estava a ponto de bala.

Pois bem, veio o encontro ou ´premier rendez-vous´. Mas não ocorreu o segundo.

Mais uma vez, como não é raro, a fantasia esbarrou na realidade. Aquilo que foi objeto de provocações, instigações, motivando uma operação internacional, deu vez a algo padrão.

A estuprada, que cada vez se enrola mais, queria mesmo o estrelato ou alguma quantia entrando em sua combalida conta bancária de “autônoma” (como referido na identificação dela na perícia médica a que se submeteu), ou “modelo profissional”.

Ao que tudo indica, pelo desastre do segundo reencontro, a relação entre a naja e a flauta não foi das melhores.

Há um vídeo que revela que o estuprador levou uma surra da estuprada na cama, não em sentido figurado, mas surra de tapas e socos. Além disso, a ingênua vítima, tomou a cautela de deixar o celular providencialmente gravando as cenas de alcova.

Obviamente, o caso encheu com notícias, versões e análises a imprensa internacional. Ela, a imprensa, adora esse tipo de barraco: um famoso e milionário, uma mulher bonita e instigante em Paris.

Mais uma vez estamos diante do despreparo desses meninos milionários para a vida. Na mesma intensidade em que treinam o futebol, deveriam ser treinados para a vida e as suas armadilhas. O fato havido com o Neymar, é uma repetição de vários outros semelhantes, envolvendo jovens jogadores de sucesso.

Relativamente ao Neymar, tenho percebido uma certa vontade de envolver-se em situações perigosas. Parece que está vulnerável à avaliação do risco das situações. Não muito tempo, diante de um estádio repleto revidou a provocação de um assistente. Agora, deu curso a uma complicada operação de importação de uma modelo, sem eira nem beira que, obviamente, não deixaria que o ápice da sua carreira ficasse restrito às quatro paredes de um quarto de hotel.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Internacional anti oportunismo

“Há uma extrema preocupação com a eventual instrumentalização do Internacional para atender objetivos partidários. Os colorados podem ser liberais, comunistas, socialistas, de direita ou de esquerda, enfim o que quiserem desde que sejam colorados antes de tudo”

Google Imagens

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

 

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

Futebol Report

O racismo e o futebol

 

O racismo e o futebol

“Nesta quarta-feira (8), no jogo entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, chamava os jogadores brasileiros de ´macacos´.  Alguns, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico. Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto (foto) aguardava para entrar em campo”

Reprodução do Canal ESPN

Tinga, eu e a velhice

 

Tinga, eu e a velhice

“Escrevo sobre esse admirável ex-atleta do Inter, não apenas para revelar uma experiência, mas para afirmar o quanto é difícil adequarmos a idade e as nossas limitações à vida”.