Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 22 de outubro de 2019.
https://marcoadvogado.com.br/images/jus_azul_caricatura_2.jpg

Fosse marqueteiro do Banrisul, Renato quebraria o banco dos gaúchos



Lucas Uebel / Grêmio

Imagem da Matéria

Renato Portaluppi é gênio no futebol. Jogador e técnico. Estamos combinados quanto a isso. Mas como marqueteiro, é péssimo.

Imaginemos o Banrisul optar pelo Grêmio em detrimento do Inter para fazer ampla campanha publicitária. E na camiseta ainda colocar: ´Quem não torce para o Grêmio é um mau gaúcho´.

O que os torcedores do Inter pensariam? E o que fariam?

Pois mais ou menos isso foi o que fez Renato, ao dizer que aqueles que forem contra Bolsonaro e Sérgio Moro são contra o Brasil. No fundo, diz que os que não apoiam Moro e Bolsonaro são maus brasileiros.

Que feio! Como gremista - e é de futebol que estamos tratando, porque Renato é técnico de futebol do Grêmio - , diria o mesmo se ele tivesse afirmado o contrário, isto é, se dissesse que os que são a favor de Moro e Bolsonaro são maus brasileiros.

Misturar futebol e política não dá boa coisa. Nos anos 70 houve essa mistura. Os mais velhos sabem a que me refiro. Bolsonaro nitidamente quer repetir essa conjuminância. Quer tirar casquinha da seleção, arriscando pagar mico (por exemplo, como na hora em que foi cumprimentar o zagueiro Marquinhos).

Isso se pode dizer também do MBL e quejandos, que se apropriaram da camiseta da seleção (que é de todos os brasileiros) nas manifestações a favor do governo. Aliás, consta que, no Rio de Janeiro, nas últimas manifestações a favor do governo, mais de 30% das camisetas da seleção eram...piratas (camisas copiadas, contrafação, fabricação sem licença, etc.; como cigarros, calções da “adidas”, pilhas e radinhos também são).

Pois é. Patriotismo é isso. Como se chama mesmo o ato de comprar produtos piratas? O inferno é o outro.

De novo: não dá para misturar política e futebol. Metade da torcida do Grêmio e metade da torcida do Inter (menos ou mais) gosta de Bolsonaro ou não gosta. Há até o indiferente. Quando um técnico de futebol se manifesta favoravelmente a favor de uma agremiação política, causa confusão. Mas, pior do que dizer Bolsonaro e Moro são “os caras” é dizer que “aqueles que não acham que eles são os caras” são contra o desenvolvimento do Brasil. Ups.

Treinadores e ídolos em geral devem fazer aquilo que sabem. Renato decepcionou um grande contingente de torcedores gremistas não-bolsonaristas. E, por que não, decepcionou até mesmo as pessoas que apoiam Bolsonaro, mas que são daquelas que não acham que os que discordam sejam maus brasileiros. Ou que sejam contra o progresso ou desenvolvimento do país.

É isso. Renato deve fazer bem o que sabe fazer: treinar o time do meu coração: o Grêmio. E deve, sim, colocar Cebolinha jogando contra o Bahia.

Ah: se o próximo treinador do Grêmio fizer o mesmo, só que a favor da antítese de Bolsonaro, farei a mesma crítica. E a crítica será mais forte se ele acrescentar que “aqueles que não concordam são contra o Brasil”.

Bom, está explicado o porquê de o Banrisul patrocinar igualmente Grêmio e Inter. Fosse pelo ´MARQUETINGUE´ de Renato, o banco faria a opção por um dos dois. E quebraria.

Como já escrevi acima, Renato é gênio no futebol. Mas também é boquirroto. Neste momento, o que ele fará de melhor e apropriado é treinar mais o Grêmio, dar menos folgas aos atletas regiamente pagos, recuperar o estilo de jogo de 2017/2018 e... não se meter nesse intrincado “grenal” político entre bolsonaristas e não bolsonaristas, entre lulistas e não lulistas. Esse jogo só dá goleada...contra.

Saludos! E viva a diversidade política.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Mario Alberto / Reprodução do Globo Esporte

Ter duas balas e atirar uma fora? É estratégia? Ou é...deixa pra lá!

 

Ter duas balas e atirar uma fora? É estratégia? Ou é...deixa pra lá!

“Em sete partidas pela ´Copa Nordeste (entendam minha ironia!), fizemos sete pontos. Campanha de rebaixamento (33%). Além disso perdemos seis pontos para o Fluminense e dois para o Avaí e a Chapecoense  que estão lutando para não cair.´ Como dizia o “grande filósofo” das antigas – o conselheiro Acácio – as consequências sempre vêm depois”.

NaniHumorBlogspot.com

O batom da anã circense e o pênalti de Galhardo

 

O batom da anã circense e o pênalti de Galhardo

“Estava voltando para casa quando, ao passar por um pequeno obstáculo na rua, meu cinto estourou. A calça caiu completamente. Nesse exato momento uma atriz circense, de baixa estatura, com alto grau de miopia, esbarra em mim, deixando essa marca indelével de batom vermelho”;;;

Charge de Gerson Kauer

A manchete com que a IVI sonhou

 

A manchete com que a IVI sonhou

“A carência de títulos vermelhos demandou um inchaço no noticiário. A mãe do Odair, a terra do Odair, a família do Odair, etc. etc. (...)  E o engraçado (ou trágico) modo como Rafael Sobis e Edenilson saíram caminhando – depois de driblados - como se estivessem jogando uma pelada de casados contra solteiros”.