Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Herdeiro da OAS sofre infarto durante depoimento judicial em Curitiba



Herdeiro da empreiteira OAS , o empresário Cesar Mata Pires Filho, 41 de idade, sofreu um infarto durante depoimento à 13ª Vara Federal de Curitiba na tarde de ontem (8). Ele estava sendo questionado pelo juiz federal Luiz Antonio Bonat, sobre um caso, apurado pela operação Lava-Jato, em que é acusado de pagar propinas ao PT (como partido) e a agentes públicos na construção de um prédio da Petrobras em Salvador.

Durante o depoimento, o empresário começou a se sentir mal, desmaiou e bateu com a cabeça na mesa da audiência. Funcionários da Justiça Federal acionaram uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para prestar atendimento médico. A audiência foi suspensa diante do incidente.

Após o atendimento de urgência, o empresário foi encaminhado para o Hospital Santa Cruz, em Curitiba. Por volta das 19h, foi submetido a procedimento cirúrgico. A assessoria de comunicação do hospital afirmou que “não comenta sobre o estado de saúde de seus pacientes”. A continuação da audiência será em setembro, em data a ser fixada pelo juiz, dependendo da evolução da recuperação de Cesar Mata Pires Filho.

O empresário chegou a ser preso no fim do ano passado e foi solto após pagar uma fiança de R$ 28 milhões. Em dezembro, ele se tornou réu de ação penal derivada de investigações da Lava-Jato, por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e crimes contra o sistema financeiro.

O pai dele, Cesar Mata Pires, fundador da OAS, morreu em 2017, aos 67 de idade, vítima de um infarto.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A que ponto chega a extorsão da nudez!

Condenação a 14 anos de cadeia, a homem que já está preso preventivamente. Juiz deplora: “Um descaso com a integridade psíquica das vítimas, o que tem um viés dramático quando praticado em contexto de violência doméstica, mostrando-se os piores algozes aqueles que, um dia, fizeram juras de amor".